quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Benfica 5 - 2 Rio Ave - 14ª Jornada 2010/11

De volta ao campeonato, depois de uma dupla jornada agridoce (à terrível exibição para a Liga dos Campeões, com o Schalke 04, seguiu-se uma saborosa vitória sobre o Braga para a Taça), o Benfica conseguiu uma exibição muito mais agradável que a realizada no último jogo em casa, com o Olhanense. Principalmente em termos atacantes. A entrada a matar chegou a fazer lembrar a temporada passada, em que os primeiros 10 minutos em casa eram, por norma, fatais para os adversários. No entanto, os muitos erros da defesa fizeram com que a incerteza no resultado se mantivesse mais tempo do que o previsto.


O Benfica entrou no jogo praticamente a ganhar. Numa das suas já habituais subidas, o neste jogo capitão David Luiz descobriu Aimar que, na cara de Paulo Santos, não falhou. Começava aqui a sucessão de acontecimentos inesperados neste encontro.
Apenas 3 minutos depois (aos 8), Saviola respondeu da melhor forma a um bom cruzamento de Gaitán (uma das mais-valias do argentino contratado este ano ao Boca Juniors) e, embora contando com a ajuda de um jogador do Rio Ave, voltou a marcar - depois de um começo atípico, em que parecia divorciado das balizas adversárias, começa a tomar-lhe outra vez o gosto.


O Benfica continuou em cima do Rio Ave, a pressionar, tentando acabar com o jogo o mais depressa possível (destaque para um falhanço incrível de Cardozo aos 25 minutos, só com o guardião adversário pela frente). Como quem não marca sofre, o Rio Ave acabaria por reduzir a desvantagem em cima do intervalo, num contra-ataque superiormente conduzido por Mendes e finalizado por (quem mais podia ser?) João Tomás. Aos 35 anos, o avançado nascido em Oliveira do Bairro continua a dar cartas - é, para mim, o melhor ponta-de-lança português desde há vários anos a esta parte. Mas isso digo eu, que não percebo nada disto. E é o melhor jogador deste Rio Ave, isso sem margem para dúvidas.


Qualquer ideia de resposta dos vila-condenses, todavia, esfumou-se logo a abrir a segunda parte, num lance em tudo semelhante. Salvio teve uma arrancada fulgurante pela direita e assistiu Saviola para o bis. E aqui tenho de fazer um mea culpa: na crónica do jogo com o Olhanense, fui retumbante em considerá-lo um barrete. Para mim, era o único adjectivo que lhe podia apontar até agora, pois ainda não o havia visto a fazer uma boa exibição. Neste jogo, contudo, Salvio este irrepreensível, não só pelos golos que marcou (já lá vamos) mas principalmente pelas oportunidades que criou e pela forma como dinamizou o ataque encarnado. Espero que o nível exibicional se mantenha.
Aos 62, o argentino emprestado pelo Atlético de Madrid estreou-se a marcar pelo Benfica, apontando um golo que já vinha a merecer pela grande exibição que estava a realizar (isto, 6 minutos depois de Roberto ter feito mais uma grande defesa, à queima num remate de João Tomás). Saliente-se ainda mais um excelente trabalho e cruzamento de Gaitán na esquerda.


O Rio Ave ainda faria o 4-2, num penalty de João Tomás, e Salvio teria mais 2 grandes momentos: o 5-2, num golo de cabeça de fora da área (algo poucas vezes visto nos relvados) e um remate à barra aos 86 minutos que lhe teria dado o merecido hat-trick. Não aconteceu, mas não foi isso que deslustrou de modo nenhum a exibição do internacional sub-21 argentino.

O triunfo permitiu-nos manter as distâncias para os mais directos perseguidores. O Porto voltou a vencer (com mais uma ajuda dos homens do apito... impressionante!), o que significa que chegamos ao Natal a 8 pontos do 1º lugar. O título será muito complicado, todos temos essa noção, mas o 2º lugar é perfeitamente alcançável (neste caso, basta mantê-lo). Agora os jogadores irão de férias (a maioria já foi) e esperemos que cheguem com as energias renovadas para atacar todas as frentes em que o clube ainda se move: temos 2 taças para vencer e uma onde fazer boa figura é imperioso. Honremos o nome deste clube.

O resumo do jogo:



PS: A equipa de basquetebol conseguiu um apuramento histórico para a próxima fase da EuroChallenge, em que estarão presentes apenas 16 equipas. Apesar da derrota na Estónia, os encarnados beneficiaram do triunfo dos búlgaros do LukOil Academic (que só perdeu na Luz em toda a fase de grupos) para passar à fase seguinte. Parabéns a toda a secção, e que continuem a elevar bem alto o nome do Benfica na Europa do basquetebol!

2 comentários:

Ricardo Oliveira disse...

http://infernobenfiquista.blogspot.com/ vai ai para fazer-mos troca de links

Jotas disse...

Apesar de em termos ofensivos se ter visto muito Benfica, julgo que continuamos a não consguir conferir equilibrios defensivos, no entanto, esta exibição, já foi muito mais de acordo com a valia deste plantel.
O Basket, apesar da derrota conseguiu o mais importante, o histórico apuramento para os 1/8 e por isso estão de parabéns.