quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Peça muito interessante com o Rei

"Em 1960, um menino aterrou em Lisboa para mudar o futebol português. 50 anos depois, continua o mesmo: humilde

Eusébio é um prato. E não dizemos isto só porque o entrevistámos na Tia Matilde, durante a hora (adiantada) de almoço. É a pura convicção do i. Eusébio é um prato, expressão que indicia divertimento e afabilidade. Vamos por partes: o i quer entrevistá-lo a propósito da sua chegada a Portugal, fez 50 anos no dia 15, e telefona-lhe. Assim, sem passar por ninguém. Do outro lado atende Eusébio, como um comum mortal. E toda a gente sabe que Eusébio não é um qualquer. É O Eusébio, com "o" maiúsculo. O Eusébio que ainda hoje suscita admiração e é reconhecido em qualquer parte do mundo, seja na Bósnia, na Venezuela ou no Vietname.

O Eusébio que foi eleito pela FIFA como o nono melhor jogador de todos os tempos no século XX. À sua frente, Pelé (que pede uma batelada de dólares por cada entrevista), Cruijff (é difícil falar com alguém que divide os seus dias entre o golfe e o... golfe), Beckenbauer (Munique é já ali, mas o Kaiser "só com marcação, se faz favor"), Di Stéfano (o presidente honorário do Real Madrid tem mais do que fazer do que dar entrevistas, a não ser que seja um evento-homenagem), Maradona (alguém tem aí o telefone do Fidel?), Puskas (só está entre nós no pensamento), Platini (é o presidente da UEFA e "três occupé") e Garrincha (é de outro mundo, e se não fosse fintava os jornalistas cá com uma pinta...). O que nos deixa no nono classificado do top da FIFA: Eusébio. Que atende o telefone na boa, como se fosse o Manel ou o Jaquim.

Aqui está o ponto de partida para a expressão "Eusébio é um prato": o assessor de Eusébio é o próprio Eusébio da Silva Ferreira. Atende o telefone, ouve e diz de sua justiça. O i quer entrevistá-lo na segunda-feira à noite, dia 13. Resposta dele: "Não, não pode ser. Daqui a 15 minutos, começa o Manchester United-Arsenal. Tenho de ver esse jogo. Liga-me amanhã." Muito bem, que seja na terça-feira, 14. "Hoje? Não, não dá. Então agora vou almoçar e depois tenho de ver [por momentos, ainda temi o pior e que fosse o Motherwell-Hearts, da Escócia] a meia-final do Mundial de clubes [Mazembe-Internacional]. A ver se amanhã nos entendemos, ok?" Okay, Eusébio. "Quando? Hoje? Ehhh, desculpa lá, mas não vai dar. Tenho de ver Rapid Viena-FC Porto [Liga Europa]." Mas desta vez lançamos um contra-ataque, que julgávamos ser venenoso. Qual quê! "Amanhã, quinta-feira? [a falar baixinho mas a pensar alto] às 18h, é o Levski-Sporting [com voz normal] O Sporting joga e tenho de ver. Isto está engatado. Amanhã ou depois, passa pela Tia Matilde à hora de almoço e estou lá, de certeza." Dito. E feito. É sábado, dia do Benfica-Rio Ave, e Eusébio lá está, como prometido, no balcão da Tia Matilde. Quando nos vê, não se deixa surpreender (pudera!) e diz com um sorriso: "Estava difícil, hein! Mas como vês, deu tudo certo."

O i senta-se ao lado dele. Eusébio está sentado, à espera do almoço. É cumprimentado por todos aqueles que lhe passam ao lado. Há quem o chame Eusébio ou king. Dá para tudo. Eusébio, como um rei, estica sempre o polegar em sinal de ok. Nós bem dizíamos, é um prato. E, durante uma hora, a conversa é deliciosa. Eusébio fala com calma. Avança como se fosse um extremo, às vezes recua, que é como quem diz rectifica, depois avança novamente e fala sem parar, ziguezagueando pelo vocabulário à procura da melhor palavra para qualificar este ou aquele ou para definir um ou outro momento, seja glorioso ou simplesmente anedótico. Eusébio é um prato. Já tínhamos dito? A sua memória tem não sei quantos megas de ram. Aí está outro dado que o enobrece: fala do que sabe, com pormenores incríveis. Com ele, não há cá reticências. Quando o seu almoço chega ao balcão, serve-se e tapa o copo de água com um guardanapo. Vai começar a falar... mas o seu raciocínio é interrompido pelo toque do telemóvel. É o Luís Piçarra. O toque do telemóvel, claro. "Sou do Benfica/E isso me envaidece/Tenho a genica/Que a qualquer engrandece/Sou de um clube lutador/Que na luta com fervor/Nunca encontrou rival/Neste nosso Portugal". Eusébio olha para o monitor, atende, fala de mansinho e adia a conversa para outra altura. Agora, é a hora do i. Finalmente.

Isso é o "Ser Benfiquista"...

Sim. Do Luís Piçarra! Nem imaginas o frisson que a música causava a nós, jogadores, antes dos jogos. Estávamos ali perfilados, com o adversário e os árbitros, de repente os altifalantes davam a música, nós ficávamos em pele de galinha e era como que entrássemos em campo já a ganhar. Fosse quem fosse. O Sporting ou o Real Madrid.

Pois, é curioso que fala nisso, porque vai ao encontro de uma das minhas perguntas: como é possível o Eusébio ter estado 15 anos no Benfica e só ter perdido seis jogos em 275 no Estádio da Luz? E como é que o Eusébio marcou em quatro dessas derrotas?

A sério? Seis? E já foram muitas [e ri-se com vontade]. Com quem foram?

Santos de Pelé (2-5) e FC Porto (1-2) em 1962, Sporting (0-2) em 1963, outra vez Sporting (2-4) em 1965, Manchester United (1-5) em 1966 e Ajax (1-3) em 1969.

[Eusébio olha para o ar e começa a falar só para si, mas alto] Desses seis, só dois foram para o campeonato nacional [FC Porto e Sporting-65]. O Santos, para a Taça Intercontinental. Manchester United e Ajax, para a Taça dos Campeões. E esse 2-0 com o Sporting para a Taça de Portugal. Ganhámos lá, em Alvalade, por 1-0, golo do Águas. Depois, perdemos 2-0. Dois do Figueiredo. Olha, foi essa vitória que nos tirou da final da Taça de Portugal mas permitiu ao Sporting ganhar 4-0 ao V. Guimarães e garantir o lugar na Taça das Taças, que haveria de levantar na época seguinte. Nada mal, ajudámos o Sporting, não foi?! [e ri-se mais ainda, entre dois toques do Luís Piçarra].

Porque é que disse "fosse quem fosse: o Sporting ou o Real Madrid"?

O Sporting, porque representei-os em Lourenço Marques, agora Maputo, e porque sempre foi o grande rival do Benfica. Nas 15 épocas de Benfica, fomos campeões nacionais 11 vezes e eles quatro. O FC Porto nunca foi campeão português no meu tempo. E também raramente me ganhou. Na Luz, já vimos, só uma vez. E lembro-me de uma outra vez, bem mais pesada: 4-0 nas Antas. Quatro golos do Lemos. Lembro-me perfeitamente do Rui, que era o guarda-redes do Porto, a dizer-me isso: ''Este ano é nosso'' [esse 4-0 foi em Janeiro de 1971 e estávamos na 18.ª jornada, pelo que faltavam oito para acabar o campeonato, aí liderado por Sporting, com três pontos de avanço sobre V. Setúbal, Benfica e FC Porto]. Eu disse-lhe: ''cuidado com isso, Rui. Ainda vamos ser nós os campeões.'' E fomos mesmo campeões [com três pontos de avanço sobre o Sporting, quatro sobre o FC Porto e sete sobre o V. Setúbal]. No dia em que nos sagrámos campeões, na última jornada, 5-1 à Académica [e faz o gesto de cinco com a mão direita, depois de pousar o garfo no prato], o Rui ligou-me para casa, porque naquela altura não havia nada de telemóveis: ''Tinhas razão. Vocês foram mesmo os campeões. Parabéns.'' Foi um gesto bonito, o dele.

E o Real Madrid?

O quê?

E o Real Madrid? Disse "fosse quem fosse...

Ah, está bem. Desde que me lembro da minha existência [Eusébio nasceu em Janeiro de 1942], o Real Madrid sempre foi a equipa. A máquina. E o Di Stéfano o meu grande ídolo. Eu estava em África e ouvia falar muito do Di Stéfano, do senhor que ele era, do futebol que ele jogava. Não o via a jogar, claro, mas os jornais que chegavam a Lourenço Marques, com dois ou três dias de atraso em relação à data da edição, noticiavam as façanhas do Real Madrid, a equipa que dominava o panorama europeu, como se viu com a conquista das cinco Taças dos Campeões seguidas [entre 1956 e 1960]. E o Di Stéfano era o meu ídolo.

E calhou logo encontrá-lo na sua primeira final europeia, em 1962!

Pois foi. Ganhámos 5-3, a perder 3-2 ao intervalo com três golos do Puskas. Na segunda parte, demos a volta e marquei dois golos, um deles de penálti. Antes do jogo, eu disse ao Coluna para pedir autorização ao Di Stéfano que me desse a sua camisola número 9 no final. Jogámos, ganhámos e, quando o árbitro apitou para o fim, lembrei ao Coluna o pedido da camisola. Lá fomos e o Di Stéfano, cabisbaixo mas afável, deu-me a camisola. Vê lá, tinha acabado de me sagrar campeão europeu e só queria a camisola do Di Stéfano. Está guardada, e é uma relíquia.

Já naquele tempo era costume trocar de camisola?

Não muito, mas eu era novo e o Di Stéfano era uma referência. Ainda hoje é! Aquele era o momento.

Trocou com mais quem?

Tanta gente. Hilário, do Sporting.

E voltámos ao Sporting. Por muitos defesas que o tenham marcado, foi um guarda-redes que ficou célebre por sua causa: o Damas!

Grande amigo. Havia uma rivalidade dentro de campo pelas equipas que representávamos mas a nossa amizade era superior a tudo isso. Quando nos encontrávamos por acaso em Lisboa, íamos almoçar ou jantar ou as duas coisas com as nossas famílias. Juntos, vivemos grandes tardes. Na Luz, em Alvalade, no Jamor. Grande homem, grande guarda-redes.

O Damas também ficou conhecido como o Eusébio do Sporting. Aliás, imagine Portugal sem Eusébio. Não havia estátua Eusébio no Estádio da Luz, não havia Damas como Eusébio do Sporting, não havia jogador português no top 10 dos melhores de sempre do século XX, provavelmente o Sporting tinha ganho mais campeonatos, o Benfica menos... Pergunta: se o Eusébio não tivesse vindo para Portugal, o que estava agora a fazer?

A jogar futebol. Acredita em mim. O meu futuro seria sempre futebolista. Há até uma história curiosa. A minha mãe nunca me quis deixar ir embora de Lourenço Marques. Aos 15 anos, a Juventus, a Juventus de Itália, ok?, queria contratar-me, porque um olheiro deles, que tinha sido um conhecido guarda-redes italiano da Juventus, viu-me e disse-lhes que havia ali um rapaz com potencial, que seria bom aproveitar enquanto eu estivesse incógnito. A Juventus chegou-se à frente mas a minha mãe não quis ouvir nada nem ninguém.

Como eram esses tempos em Lourenço Marques?

Grandiosos. Lembro-me dos jogos que fazíamos. Lembro-me de procurar meias, enrolá-las todas, misturá-las com papel de jornal e daí fazer uma bola. E lembro-me também dos nossos concursos. Quem ganhasse, comia dez castanhas!

Como é que era isso?

Eram concursos de habilidade. Tínhamos de fazer corridas com distâncias pré-definidas a dar toques naquelas bolas [e começa a explicar por gestos, com as duas mãos]. Primeira prova: 20 metros. O primeiro a dar chegar à linha da meta sem deixar a bola e trocá-la do pé direito para o esquerdo o maior número de vezes possível qualificava-se para a fase seguinte, que era a prova dos 50 metros, daí para os 100 e acabávamos nos 200 metros. Sempre na mesma coisa: pé direito, pé esquerdo, pá, pá, pá, pá [as mãos a bater uma na outra fazem eco na Tia Matilde] até cortar a meta. Aquilo eram tardes a fio, dias seguidos, meses, anos... O vencedor ganhava castanhas que assávamos ali na hora, mas nunca, nem por uma vez, o vencedor ficou com todas as castanhas. Qualquer que fosse o vencedor, dividia-as com todos os outros. Ehhh, grandes tempos [olha em frente, para uma parede vazia de conteúdo, mas os olhos transmitem emoção]. Cá em Portugal, o meu treino era outro, claro.

Então?

No final de cada treino, eu ficava no campo a treinar remates. Punha dez bolas ao longo da grande área e ia rematando à baliza. Pá, pá, pá [a Tia Matilde não estremece com o eco, mas pouco falta], pé direito, pé esquerdo, ao ângulo superior, rasteiro ao poste mais distante. Fazia este exercício dez vezes por dia, o que dava cem remates no total. Dez à vez, depois ia buscar as bolas, porque não havia cá apanha-bolas nem nada, não é? Distribuía as bolas outra vez pela área e pá, pá, pá, pá.

Um dia destes, vi uma fotografia sua à baliza. O Eusébio tinha estilo, hããã!

[sem mexer as pernas nem os pés, move o tronco para direita e para a esquerda] O treino de guarda-redes era o melhor para os rins, para os abdominais. Para ficar definitivamente em forma, ia à baliza na parte final dos treinos e dizia ao Simões para me atirar bolas para o lado esquerdo e para o lado direito. Com a mão, mas também em jogadas de um para um. E eu atirava-me aos pés dele.

Podia então ter defendido a baliza do Benfica naquela final da Taça dos Campeões com o Inter, em Milão, quando o Costa Pereira se lesionou?

Sim, podia.

Bem... se fosse, a sua lenda era maior ainda: ir à baliza numa final da Taça dos Campeões. E se não sofresse nenhum golo, como aconteceu com o Germano? Aí então...

Nessa final com o Inter, havia três hipóteses: eu, o Cavém e o Germano. Como estávamos a perder e precisávamos de dar a volta, eu fiquei na frente e lá foi o Germano para a baliza, que manteve o 1-0. Ele já estava a coxear e sem hipótese de acompanhar o arranque de algum adversário.

Sabe qual foi o guarda-redes a quem marcou mais golos?

Não.

Ao Américo, do FC Porto.

Quantos?

17.

Estivemos juntos no Mundial-66. Belo guarda-redes. Porto e Sporting sempre estiveram bem representados na baliza.

Tirando o Damas, quem se destacava mais? Carvalho, Octávio de Sá, Carlos Gomes...

O Carlos Gomes [e olha para a frente, como se o estivesse a ver naquele preciso momento]. Uma vez, quando ele defendia o Atlético, treinado pelo José Águas [1961-62], o intervalo de um jogo com o Benfica demorou mais tempo que o habitual. A PIDE estava na Tapadinha e ia levá-lo para interrogatório. Mas só depois do jogo. Ao intervalo, um amigo dele, que também era meu, alertou-o para isso, meteu-o na bagageira de um boca de sapo [Citröen] e lá foram para Badajoz. O Carlos Gomes foi parar a Marrocos, a jogar no Tânger. E o intervalo desse jogo demorou sei lá o quê. Quando o Atlético entrou em campo, o Carlos Gomes já estava a caminho de Badajoz. Sabes porque é que o Carlos Gomes está aqui? [e aponta para a cabeça]

Não faço ideia. Sei que ele sempre foi irreverente e que jogava de preto, em protesto com o amadorismo do futebol e dos seus dirigentes.

Não [e esboça um sorriso largo]. Lembro-me dele era eu um miúdo de oito anos e ia ver com o meu tio os particulares das equipas portuguesas em Lourenço Marques. Era um costume, e antes dessa equipas regressarem a Portugal, ainda iam à África do Sul para ganhar mais um cachet. Lá, os negros não podiam jogar. Lembro-me que o Sporting jogou em Lourenço Marques com o Jorge Mendonça e na África do Sul não o pôde fazer. Eles tinham um campeonato para brancos e outro para negros. Mas porquê? Se somos todos iguais: brancos, pretos, amarelos, azuis... Na África do Sul, era assim. E lembro-me que o Atlético Clube de Portugal [faz questão de repetir o nome do clube] chegou à África do Sul e voltou logo para Portugal, porque recusou as imposições dos sul-africanos, de jogar sem o Ben David, que era cá um jogador [quatro golos em seis internacionalizações por Portugal, entre 1950 e 1952]. Mas volto ao Carlos Gomes.

Ok. Carlos Gomes, então

Num jogo desses, ele foi expulso de campo. E eu lembro-me, tão bem, mas tão bem, da malandrice dele. [Eusébio faz o gesto do árbitro "para a rua", porque ainda não havia cartões, e traça uma grande área imaginária com talheres, pratos e copos, sem tirar o guardanapo de cima daquele que tem água] Ele foi da baliza até à bandeirola de canto e daí até ao meio-campo sempre pela linha, sem nunca sair do campo. Estavam todos a olhar para ele, a ver quando saía para recomeçar o jogo. Quando ele chegou ao meio-campo, desapareceu rumo ao balneário. Quando cheguei a Portugal, vi-o e disse para mim ''olha quem é ele''.

Quando chegou a Portugal... Ainda se lembra do primeiro jogo que viu do Benfica?

Claro. Cheguei numa quinta-feira [15 de Dezembro], depois da mais longa viagem de sempre. Acho que foram 30 ou 31 horas de avião. Tantas escalas... Só me lembro de uma: Dacar [Senegal].

E depois?

Bem, cheguei a Lisboa à noite e do aeroporto fui para o Lar do Jogador, onde conheci todos os jogadores e mais o treinador, o Bela Guttmann. Sabes que ele nunca me tratou por Eusébio? Nunca! Era sempre o menino. O menino tem de ir connosco, o menino tem de fazer isto, o menino tem aquilo... Do Lar do Jogador, viajei para a Covilhã. Apanhei o comboio aqui [e aponta lá para fora, para a Estação do Rego]. Fazia cá um frio lá em cima. Quis ir-me embora. De lá, da Covilhã, e até de Portugal. Foi o Coluna que me sossegou. Eu conhecia-o de Lourenço Marques e as nossas famílias davam-se bem. Eu até tratava a mãe dele por tia. E o meu irmão deu-me uma carta para lhe entregar no dia em que o visse em Lisboa. Nesse jogo na Covilhã, começámos a perder mas ganhámos 3-1.

Chegou em Dezembro de 1960 mas só se estreou em Junho de 1961.

Sim, houve muita burocracia pelo meio, entre Sporting, Benfica, federação... Em Junho, lá me estreei. A 1 de Junho, no dia seguinte ao Benfica ter ganho a primeira Taça dos Campeões [3-2 ao Barcelona, em Berna]. A Federação Portuguesa não quis adiar o jogo e o Benfica apresentou a equipa B. Perdemos 4-1, nos Arcos.

Mas o Eusébio marcou um golo [o 473.º e último golo oficial de Eusébio pelo Benfica, em Março de 1975, também foi com o V. Setúbal, mas já no Bonfim]

Sim, o 3-1.

E também falhou um penálti?

È verdade, defendido pelo Félix. O pai do Mourinho.

Falhou mais penáltis?

Um para o Maló, da Académica [na Luz, em Outubro de 1966: 2-1 para o Benfica]. E outro para o União de Almeirim.

Como é que é?

Para a Taça de Portugal, com o União de Almeirim [32 avos-de-final, a 9 de Fevereiro de 1969]. Ganhámos 8-0, eu já tinha marcado três ou quatro, não me lembro bem [foram três, e vale a pena dizer que Eusébio marcou 18 em nove jogos nessa edição da Taça, que o Benfica levantou, numa final com a Académica, que meteu prolongamento e só se evitou um segundo jogo por-culpa-vocês-sabem-de-quem]. E houve um penálti. Eu fui batê-lo e o guarda-redes disse-me que o pai dele estava no Estádio da Luz. Eu então disse-lhe que ia atirar para aquele lado [Eusébio aponta o seu lado direito] e ele foi lá buscá-la. Eu e ele tirámos fotografias, com o pai também, e, durante essa semana, ele virou herói nacional, com reportagens numa série de jornais. Foi engraçado [e sorri largamente, como se lhe estivessem a dar uma Bola de Ouro].

Seis derrotas na Luz, 11 títulos de campeão nacional em 15 épocas, três penáltis falhados, duas Botas de Ouro [melhor marcador europeu] e uma Bola de Ouro [melhor jogador da Europa para a France Football]. Que carreira. Falta-lhe alguma coisa?

Já que fala nisso... Podia ter ganho duas Bolas de Ouro.

Pois. Ganhou uma em 1965, com oito pontos de vantagem sobre Facchetti, lateral italiano do Inter. Mas perdeu a de 1966, para Bobby Charlton. Por um ponto, não foi?

Sim. Um ponto.

E o voto foi de um jornalista português, o Couto e Santos, do Mundo Desportivo. Ele votou no Bobby Charlton em primeiro lugar, eu em segundo [em 1966, Charlton foi campeão do mundo e eleito o melhor jogador pela FIFA numa prova em que Eusébio foi melhor marcador destacado, com nove golos em seis jogos]. O Charlton acabou com 81 pontos, eu com 80. Se ele votasse em mim, seria o contrário: eu 81, o Charlton 80.

E alguma vez falou com Couto e Santos sobre isso?

Siiim. Ele sempre me disse que votou no Charlton porque julgava que eu ia ganhar com avanço. Como é que alguém pode pensar isso numa votação secreta? E o que é que eu podia fazer-lhe? Nada, não é? Apenas perguntei-lhe e ele respondeu-me desta forma. Se ele votasse, eu seria o primeiro jogador a ganhar a Bola de Ouro duas vezes seguidas.

A Bola de Ouro perdida para o Bobby Charlton. Mais alguma coisa que lhe falta? Li algures que nunca jogou com o Matateu.

É verdade, o Matateu. Ele nunca jogou comig... Desculpa, eu nunca joguei com o Matateu. Assim é que é, assim é que se deve dizer: eu nunca joguei com ele. Só uns treinos na selecção portuguesa, com o Peyroteo a treinador. [E o Luís Piçarra entra novamente pelos nossos ouvidos dentro... Eusébio é ou não é um prato?]"

Por Rui Tovar, in I

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Feliz Natal


O Gloriosa Chama Imensa deseja a todos os seus leitores um Feliz Natal, carregado de esperança e entusiasmo para o futuro que se adivinha (como sempre) glorioso.

Feliz Natal a todos!

quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

JVP


Benfica-Rio Ave

1 - O Benfica da época passada nos primeiros 35 minutos…

A primeira parte dividiu-se em duas e nos primeiros 35 minutos esteve em campo um Benfica muito forte, a exercer muita pressão sobre a bola, com mais iniciativa, maior dinâmica, velocidade e criatividade no seu futebol. Foi um Benfica muito próximo daquele que vimos na temporada passada. E muito eficaz também, pois aos oito minutos já vencia por 2-0. Dava a sensação de que seria um jogo semelhante a muitos que vimos na última época. A verdade é que, ao não ter feito o 3-0, o que mataria o jogo, acabou por desacelerar e consentiu maior estabilidade e serenidade ao Rio Ave, que passou a aproximar-se mais da área benfiquista.

2 - … E uma excelente reacção do Rio Ave

Após esses primeiros 35 minutos de desconcentração e surpreendido pela entrada forte do Benfica, com o bloco muito baixo e intranquilidade com a bola, o Rio Ave conseguiu reagir, mostrou boa atitude e proporcionou um bom espectáculo. O que certamente não estaria nas previsões de muita gente, pois não é nada fácil estar a perder por 2-0 logo aos oito minutos em casa de um grande e, ainda assim, conseguir reagir! A partir daí, a equipa de Vila do Conde esteve bem melhor do que mostraram os primeiros oito minutos, até porque não é daquelas que põem o autocarro à frente da baliza mas jogam o jogo pelo jogo. Ao reduzir para 2-1, o Rio Ave colocou incerteza no resultado, pois estava gradualmente a melhorar e isso deu-lhe alguma esperança, o que justificou a sua entrada na segunda parte: mais atrevido, mais subido no terreno e à procura da sua sorte. Isso, no entanto, proporcionou o terceiro golo do Benfica.

3 - Dois momentos decisivos

O terceiro golo do Benfica, aos 52 minutos, e a oportunidade falhada por João Tomás, oito minutos depois, são os momentos que definem este jogo. Por um lado o Benfica voltou a sentir maior segurança, por outro o Rio Ave perdeu a oportunidade de fazer o 3-2 e de devolver a intranquilidade ao Benfica e a incerteza até final. Acabou por não ser assim e o 4-1 matou o jogo, apesar de o Rio Ave nunca ter desistido e de ter dado uma boa resposta, sobretudo porque conseguia colocar muitos homens na frente. A vitória do Benfica é indiscutível mas o Rio Ave merecia mais um golo para valorizar a sua atitude no jogo.

4 - Rio Ave expôs intranquilidade defensiva do Benfica

Duas razões explicam a intranquilidade defensiva do Benfica, que foi posta a nu pelo Rio Ave. Primeiro, a ausência de Luisão, que comanda a defesa e faz com que os jogadores ao lado e à sua frente sejam mais agressivos e concedam pouco espaço aos adversários. A sua voz é importante. Depois, um certo entusiasmo atacante provocou desequilíbrios defensivos que chegaram a originar situações de igualdade numérica entre defesas do Benfica e atacantes do Rio Ave.

5 - Salvio o melhor em campo

O melhor em campo foi Salvio e, de acordo com o que disse Jorge Jesus, com alguma sorte pois foi titular devido a uma indisposição de Carlos Martins. Velocidade, bons movimentos e eficácia foram os seus principais predicados neste encontro, em que mostrou pormenores de qualidade. Este jogo certamente moralizou-o e pode ter sido importante, na medida em que terá dissipado dúvidas que começavam a surgir, eventualmente até no treinador.

6 - Estranhei o segundo amarelo de Coentrão

Coentrão era um dos jogadores do Benfica em risco de suspensão caso visse mais um cartão amarelo, daí não haver nada a fazer depois de ter visto o primeiro. Confesso que estranhei o segundo e não percebi se foi precipitado, ingenuidade ou se houve alguma estratégia… É uma peça importante e embora o Benfica tenha alternativas, nenhuma terá o mesmo valor do internacional português.

7- Segurança de Roberto

Roberto foi chamado a intervir várias vezes e fê-lo sempre bem. É um guarda-redes atento, eficaz e demonstrou segurança, como que querendo provar que a má fase já está ultrapassada.

8 - Pressão para o FC Porto

A vitória do Benfica coloca sempre alguma pressão no FC Porto, a começar porque neste momento está a cinco pontos. A experiência diz-me que isto não passa ao lado dos jogadores e lembro-me do último título que ganhei no Sporting, que foi discutido com o Boavista durante dez ou 11 jornadas, a um ou dois pontos de distância. Além disto, o FC Porto tem uma deslocação complicada. O Paços de Ferreira é uma equipa difícil em casa, conhece bem o seu espaço e joga bom futebol. Em casa, dificulta sempre a tarefa aos grandes.

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Benfica 5 - 2 Rio Ave - 14ª Jornada 2010/11

De volta ao campeonato, depois de uma dupla jornada agridoce (à terrível exibição para a Liga dos Campeões, com o Schalke 04, seguiu-se uma saborosa vitória sobre o Braga para a Taça), o Benfica conseguiu uma exibição muito mais agradável que a realizada no último jogo em casa, com o Olhanense. Principalmente em termos atacantes. A entrada a matar chegou a fazer lembrar a temporada passada, em que os primeiros 10 minutos em casa eram, por norma, fatais para os adversários. No entanto, os muitos erros da defesa fizeram com que a incerteza no resultado se mantivesse mais tempo do que o previsto.


O Benfica entrou no jogo praticamente a ganhar. Numa das suas já habituais subidas, o neste jogo capitão David Luiz descobriu Aimar que, na cara de Paulo Santos, não falhou. Começava aqui a sucessão de acontecimentos inesperados neste encontro.
Apenas 3 minutos depois (aos 8), Saviola respondeu da melhor forma a um bom cruzamento de Gaitán (uma das mais-valias do argentino contratado este ano ao Boca Juniors) e, embora contando com a ajuda de um jogador do Rio Ave, voltou a marcar - depois de um começo atípico, em que parecia divorciado das balizas adversárias, começa a tomar-lhe outra vez o gosto.


O Benfica continuou em cima do Rio Ave, a pressionar, tentando acabar com o jogo o mais depressa possível (destaque para um falhanço incrível de Cardozo aos 25 minutos, só com o guardião adversário pela frente). Como quem não marca sofre, o Rio Ave acabaria por reduzir a desvantagem em cima do intervalo, num contra-ataque superiormente conduzido por Mendes e finalizado por (quem mais podia ser?) João Tomás. Aos 35 anos, o avançado nascido em Oliveira do Bairro continua a dar cartas - é, para mim, o melhor ponta-de-lança português desde há vários anos a esta parte. Mas isso digo eu, que não percebo nada disto. E é o melhor jogador deste Rio Ave, isso sem margem para dúvidas.


Qualquer ideia de resposta dos vila-condenses, todavia, esfumou-se logo a abrir a segunda parte, num lance em tudo semelhante. Salvio teve uma arrancada fulgurante pela direita e assistiu Saviola para o bis. E aqui tenho de fazer um mea culpa: na crónica do jogo com o Olhanense, fui retumbante em considerá-lo um barrete. Para mim, era o único adjectivo que lhe podia apontar até agora, pois ainda não o havia visto a fazer uma boa exibição. Neste jogo, contudo, Salvio este irrepreensível, não só pelos golos que marcou (já lá vamos) mas principalmente pelas oportunidades que criou e pela forma como dinamizou o ataque encarnado. Espero que o nível exibicional se mantenha.
Aos 62, o argentino emprestado pelo Atlético de Madrid estreou-se a marcar pelo Benfica, apontando um golo que já vinha a merecer pela grande exibição que estava a realizar (isto, 6 minutos depois de Roberto ter feito mais uma grande defesa, à queima num remate de João Tomás). Saliente-se ainda mais um excelente trabalho e cruzamento de Gaitán na esquerda.


O Rio Ave ainda faria o 4-2, num penalty de João Tomás, e Salvio teria mais 2 grandes momentos: o 5-2, num golo de cabeça de fora da área (algo poucas vezes visto nos relvados) e um remate à barra aos 86 minutos que lhe teria dado o merecido hat-trick. Não aconteceu, mas não foi isso que deslustrou de modo nenhum a exibição do internacional sub-21 argentino.

O triunfo permitiu-nos manter as distâncias para os mais directos perseguidores. O Porto voltou a vencer (com mais uma ajuda dos homens do apito... impressionante!), o que significa que chegamos ao Natal a 8 pontos do 1º lugar. O título será muito complicado, todos temos essa noção, mas o 2º lugar é perfeitamente alcançável (neste caso, basta mantê-lo). Agora os jogadores irão de férias (a maioria já foi) e esperemos que cheguem com as energias renovadas para atacar todas as frentes em que o clube ainda se move: temos 2 taças para vencer e uma onde fazer boa figura é imperioso. Honremos o nome deste clube.

O resumo do jogo:



PS: A equipa de basquetebol conseguiu um apuramento histórico para a próxima fase da EuroChallenge, em que estarão presentes apenas 16 equipas. Apesar da derrota na Estónia, os encarnados beneficiaram do triunfo dos búlgaros do LukOil Academic (que só perdeu na Luz em toda a fase de grupos) para passar à fase seguinte. Parabéns a toda a secção, e que continuem a elevar bem alto o nome do Benfica na Europa do basquetebol!

sábado, 18 de dezembro de 2010

O Benfica no campeonato - Benfica 2 - 1 Rio Ave 2009/10

Aqui não havia nada que inventar. Apesar de já nos termos encontrado muitas vezes com o Rio Ave na nossa história, creio que o jogo mais importante foi mesmo o da última jornada da época passada, em que um triunfo nos daria o título. Felizmente aconteceu e pudemos festejar o 32º campeonato do nosso historial. Espero que o encontro de hoje tenha o mesmo fim (os 3 pontos).

Estávamos então na última jornada e bastava-nos vencer em casa o Rio Ave para assegurar o título (na verdade, com o empate do Braga na Choupana até podíamos ter empatado também). O jogo começou-nos de feição, com Cardozo a marcar logo aos 3 minutos, num golo que o colocava a par de Falcao na frente dos melhores marcadores, com 25 golos. O Benfica acabou por adormecer depois, limitando-se a controlar o jogo, e um balde de água fria caiu sobre a cabeça de todos nós quando, aos 72 minutos, o Rio Ave empatou na única vez que chegou à nossa baliza, por Ricardo Chaves. A resposta acabaria por não se fazer esperar: 7 minutos depois, Cardozo resolveu o encontro, sagrando-se ainda o melhor marcador do campeonato. Nesse 11 estavam presentes, do actual plantel, Rúben Amorim, Luisão, David Luiz, César Peixoto, Airton, Carlos Martins, Aimar, Saviola e Cardozo (entrariam depois Maxi Pereira e Nuno Gomes). No banco, não utilizados, ficaram Moreira, Sidnei, Felipe Menezes e Kardec. Júlio César, Roderick, Luís Filipe, Weldon e Mantorras não foram convocados por opção, enquanto Fábio Coentrão e Javi García estavam castigados. Que a vitória se repita hoje (se possível com menos aflição).

O resumo desse jogo, aqui:

sexta-feira, 17 de dezembro de 2010

Sorteios

Há dias saiu o sorteio referente aos quartos-de-final da Taça de Portugal. Ao Benfica calhou jogar com o Rio Ave em Vila do Conde, caso consigamos ultrapassar, em casa, o Olhanense no jogo em atraso dos oitavos. Não sendo o sorteio mais amigo possível (esse calhou ao mesmo de sempre), não deixa de ser verdade que está totalmente ao alcance do Benfica. A nossa obrigação é agora chegar pelo menos às meias-finais da prova, onde sabemos que vamos ter pela frente o Porto e talvez o Vitória de Guimarães e a Académica, salvo alguma surpresa de última hora. O curioso é verificar que o Porto continua, eliminatória após eliminatória, ano após ano, a ser bafejado pela "sorte". Vejamos o percurso dos portistas até à meia-final deste ano: Limianos em casa, Moreirense fora, Juventude de Évora em casa e Pinhalnovense em casa. Até às meias-finais, nem um adversário da I Liga. E já nas outras épocas se tem verificado a mesma coisa. Não será sorte a mais? Começo verdadeiramente a acreditar na teoria das bolas quentes e frias. Já andei mais longe... Bem, mas o que nos interessa é a nossa casa, é o que acontece ao Benfica, e a verdade é que temos a obrigação de estar nas meias-finais. O resto não interessa.

Quanto ao sorteio da Liga Europa, conhecido hoje, a verdade é que também não o considero o pior possível. Dentro dos clubes que nos podiam ter calhado em sorte, tocou-nos o penúltimo classificado do campeonato alemão, que tem feito uma temporada interna miserável mas que na Europa está a reinar (onde é que eu já vi este filme?). O certo é que será um adversário realmente difícil de ultrapassar para o Benfica, que irá ter de dar o máximo se quer fazer boa figura nesta competição. Nunca vencemos na Alemanha (o estigma mantém-se, ano após ano), pelo que espero que seja agora. Se não der para ganhar lá, ao menos que se empate e ganhe em casa. Sendo difícil, há possibilidades de seguirmos em frente. O resto são peanuts.

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

JVP


Benfica-Braga

1 - Eram dois a querer ganhar e houve justiça

Vitória difícil, mas justa do Benfica, a equipa que mais oportunidades criou contra um Braga muito competitivo, mas pouco objectivo no último terço do campo. Num confronto em que as equipas acusaram visivelmente a pressão que nesta altura se abate sobre ambas, embora seja muito mais forte aquela que é exercida sobre o Benfica e o seu treinador, o jogo teve alguns pontos de interesse, a começar pelas cautelas postas em campo pelos dois conjuntos até às variações tácticas da segunda parte. Porque mesmo que o Braga possa lamentar a ausência de jogadores tão importantes na equipa como Moisés, Vandinho e Matheus, mostrou claramente que entrou na Luz com uma estratégia para tentar ganhar. E é sempre bom que haja duas equipas a querer mesmo ganhar um jogo.


2 - Braga tinha uma boa ideia, mas não conseguiu pô-la em prática

Ao contrário do que é costume, mas também por efeito da pressão exercida pelo Benfica, a equipa visitante errou muitos passes, o que lhe dificultou a circulação de bola, obrigando-a a jogar um futebol mais directo do que lhe é habitual, procurando fazer com que Meyong, Paulo César ou Alan aparecessem libertos nas costas da defesa benfiquista. Do meu ponto de vista, essa era uma boa estratégia, uma das armas a utilizar pelo Braga. Por aquilo que o jogo estava a dar - sempre muito cauteloso de ambos os lados -, o Braga não era capaz de fazer uma boa circulação de bola e, como os centrais do Benfica não são muito rápidos e já os temos visto em dificuldades em lances em que a bola lhes é metida para as costas, a ideia do futebol directo era boa, mas a equipa não conseguia boa definição no último passe, pelo que, em todo o jogo, só conseguiu criar uma oportunidade de golo, na sequência de um canto, já no final do encontro, na qual Júlio César fez uma defesa extraordinária. Ou seja, ao Braga faltou objectividade e eficácia.

3 - Benfica mais forte, só que o golo é um contra-senso

No meio de tanto rigor táctico, pois as equipas apostaram nisso, nos minutos iniciais percebeu-se que ambas tinham montadas estratégias para ganhar, mas com o passar do tempo o Benfica foi provando que estava melhor e mais perigoso, assumindo a iniciativa, criando alguns lances de perigo. Mas acabou por inaugurar o marcador num lance que foi um contra-senso; com tanta preocupação táctica, sofrer um golo num lançamento de linha lateral não lembra a ninguém. Javi García ganhou a primeira bola rodeado por três jogadores do Braga. Depois, sim, houve mérito de Saviola, que adivinhou o lance e se antecipou a Sílvio, mas aquela bola não podia ter passado.

4 - Domingos arrisca tudo

A segunda parte foi muito diferente em termos estratégicos. O Braga subiu no terreno, tentou pressionar mais alto e jogou muito mais tempo no meio campo do Benfica - também porque a equipa da casa baixou as linhas propositadamente e deu a iniciativa e algum espaço para depois explorar as transições rápidas, como gosta de fazer, tendo conseguido algumas bem perigosas. Mesmo com maior iniciativa do Braga, por falta de soluções dos visitantes, era o Benfica a criar os lances de maior perigo. É importante acrescentar que a inoperância bracarense no último terço do terreno se devia também à concentração defensiva dos benfiquistas.
Com meia hora para jogar, Domingos arriscou tudo metendo Hélder Barbosa e Keita. Fez o que tinha a fazer - Hélder Barbosa é um jogador irreverente que gosta de ter a bola no pé e não se impressiona com ambientes desfavoráveis -, mas o Benfica estava muito cómodo com a sua nova maneira de jogar e acabou por marcar o segundo mesmo a acabar.
Uma palavra de apreço para o jovem Guilherme, que joga no satélite Vizela. Não é fácil, aos 19 anos, estrear-se a jogar no Estádio da Luz, ainda por cima numa posição que não é a dele de raiz.

5 - Pressão para dois

Este era um jogo que valia bem mais que uma simples eliminatória de Taça, pois desde o sorteio que se sabia que um de dois possíveis candidatos a ganhar a prova ficaria pelo caminho. Desde que o sorteio os juntou, aconteceram muitas coisas de ambos os lados. A pressão sentia-se antes do jogo, até nas declarações dos treinadores, ambos muito cautelosos, tal como depois a montar as respectivas equipas. O Benfica saiu de um péssimo resultado na Liga dos Campeões e, por cá, as coisas também não têm corrido pelo melhor. A pressão que está a ser exercida sobre o treinador também mexe com a equipa, é impossível os jogadores passarem ao lado. Cria-se grande ansiedade.
Do lado do Braga, a Liga dos Campeões tem servido para minimizar alguns resultados menos conseguidos internamente, mas uma equipa que ficou no segundo lugar na época passada criou expectativas grandes que está com dificuldades em cumprir. Para além disso, discutir uma eliminatória na Luz nunca é fácil.

quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Benfica 2 - 0 Braga - IV eliminatória Taça de Portugal 2010/11

Finalmente! Após muitos e muitos jogos, finalmente se voltou a ver um Benfica a um nível muito perto do razoavelmente bom. Perante um adversário de qualidade (embora muito desfalcado, por entre lesões e castigos), a equipa encarnada deu mostras de que há, efectivamente, condições para assegurar os objectivos mínimos para o que falta da temporada: ficar em 2º no campeonato, garantindo assim a participação na Liga dos Campeões da próxima época, lutar pela vitória nas 2 taças nacionais e fazer boa figura na Liga Europa (dependendo do adversário que nos calhar em sorte já nos 16-avos-de-final se verá qual pode/deve ser o objectivo real na competição). No que respeita à Taça de Portugal, com a eliminação do Braga e também do Sporting em Setúbal, ficou claro que só se aceitará uma derrota benfiquista na prova com o Porto. Qualquer desaire frente a qualquer outro dos adversários, sendo que o próximo é o Olhanense, será um retumbante revés nas aspirações do Benfica. E quem pagará é Jorge Jesus, obviamente.


O Benfica controlou este jogo como lhe convinha e de forma muito competente. Sem se atirar deliberadamente ao ataque, foi dominando as operações no centro do terreno, aparecendo aqui e ali com perigo nas imediações da área bracarense. O Braga, por seu lado, nunca foi capaz de criar ocasiões perigosas. Nem a saída de Luisão, lesionado, fez o Benfica tremer, mas a concretização em golos desse domínio só surgiu já perto do intervalo, num lance muito bem trabalhado por Javi García e Saviola (saliente-se também o lançamento longo de Maxi Pereira). O argentino, ao contrário do que tem sido nota dominante esta época, apareceu de rompante ao primeiro poste e de forma certeira abriu o marcador.


A disposição do jogo não se alterou muito a partir daí. Em vantagem, o Benfica foi segurando o jogo e criando algumas oportunidades, sem que o Braga conseguisse dar uma boa réplica. Até que, aos 88 minutos, Júlio César fez a defesa da noite, a responder a um belo cabeceamento de Alan (o melhor em campo do Braga) e, poucos minutos depois, Aimar selou a vitória encarnada, em recarga a remate de Rúben Amorim (depois de uma boa jogada de Salvio - que entrou muito bem em campo - pela direita).


Num jogo que acabou por ser mais tranquilo do que era esperado, o Benfica conseguiu eliminar um concorrente directo à vitória final, o que é sempre de enaltecer. A equipa respondeu positivamente à terrível exibição efectuada com o Schalke 04 e agora resta começar já a preparar a recepção ao Rio Ave, em mais um encontro onde perder pontos é proibido para não deixar fugir o 2º lugar (e quem sabe aumentar ainda mais a vantagem sobre os mais directos perseguidores) e continuar a pressionar o primeiro (embora às vezes nem valha a pena, sabendo de antemão que eles têm as vitórias asseguradas, como se viu na roubalheira com o Vitória de Setúbal). Em relação à Taça, como já foi dito acima, iremos receber no próximo jogo o Olhanense e, como tal, teremos todas as hipóteses de passar aos quartos-de-final. Façamos por isso, rumo à 25ª Taça de Portugal do nosso historial.

O resumo do jogo aqui:

domingo, 12 de dezembro de 2010

O Benfica na Taça de Portugal - Braga 2 - 1 Benfica 1997/98

Hoje jogamos a nossa continuidade na Taça de Portugal, frente a um adversário que já defrontámos mais de 100 vezes na nossa história. Na Taça, jogámos contra o Braga por 9 vezes e curiosamente vencemos 5 e perdemos 4. Hoje vou recordar aqui a última vez que o Benfica defrontou o Braga nesta competição. Foi em Braga, nas meias-finais da Taça de 97/98. Nesse dia saímos derrotados e o Braga foi jogar a final com o Porto. Hoje espero que aconteça o oposto, para que se mantenha vivo o sonho de voltar a vencer um troféu que nos foge vai para 7 anos.

Depois de já ter eliminado Farense, Rio Ave, Beira-Mar e Gil Vicente, o Benfica parecia caminhar a passos largos para a final, onde havia estado nas 2 épocas anteriores (ganhou a primeira e venceu a segunda). E o jogo até começou muito bem, com Panduru a marcar logo aos 15 minutos. O problema é que o jogo tem mais 75 minutos, e nesses o Braga deu o tudo por tudo para virar o jogo. E virou-o, com um bis de Karoglan, a grande figura do Braga à época. Nessa equipa, orientada por Graeme Souness, estava um único atleta do Benfica actual: Nuno Gomes, que sairía aos 60 minutos para dar lugar a João Pinto. Se o resultado hoje se repetir (2-1 para a equipa da casa), já não seria nada mau. Esperemos que assim aconteça.

Não consegui encontrar os golos desse jogo em lado nenhum. Se alguém conseguir, que diga aqui na caixa de comentários.

sábado, 11 de dezembro de 2010

JVP


Benfica-Schalke

1 - Benfica chega onde queria, mas o que tinha a fazer não fez

Nesta crónica, vou tentar não repetir o que escrevi na do último jogo do Benfica. Ou seja, não vou falar de alma nem da falta dela ou do espírito de grupo que também desapareceu. Tentarei concentrar-me num jogo em que o Benfica deitou tudo a perder por culpa própria e acaba por cumprir o objectivo de transitar para a Liga Europa por oferta de terceiros. Porque aquilo que tinha a fazer… não fez. E percebeu-se cedo que ia ser muito complicado bater o Schalke, pois mesmo durante aqueles primeiros dez minutos em que as equipas se estudaram, o Benfica queria ter a bola, e os alemães consentiam-no, mas posicionavam-se no campo de uma forma compacta e jogavam concentrados. A forma lenta e pouco dinâmica como a equipa portuguesa circulava a bola servia a estratégia do adversário, que exercia pressão para ganhar a bola e não apenas para marcar posição. O Schalke teve sempre a tranquilidade e a frieza de esperar pelo erro do Benfica, enquanto o Benfica nunca foi capaz de provocar o erro no Schalke. E na maior parte das ocasiões em que os alemães saíram para o contra-ataque apanharam o Benfica desorganizado. Aliás, isso tem-se visto muitas vezes ao longo desta época.

2 - Schalke cínico e inteligente

A forma lenta como o Benfica circula a bola torna impossível a criação de desequilíbrios e torna as dificuldades cada vez maiores para uma equipa triste, intranquila e sem a determinação necessárias para jogos deste calibre. O Schalke percebeu que teria sucesso se apertasse um bocado com o Benfica e tratou de o fazer saindo rápido para o contra-ataque e provocando erros defensivos. Então depois de marcar é que o visitante, que se tinha posicionado em campo de forma inteligente, se tornou ainda mais cínico na sua forma de jogar, fazendo com que o Benfica, que chegou a ter a ilusão de mandar no jogo, só fizesse um remate que acertou na baliza aos 65 minutos.

3 - Aimar e Gaitán mudam o jogo

Tranquilo, o Schalke continuou a controlar o jogo na segunda parte e até dispôs de um boa oportunidade para marcar antes de chegar ao 0-2, mesmo tendo o Benfica melhorado a sua dinâmica com a entrada de Aimar e Gaitán, apesar de a equipa só ter acordado a sério depois do tal lance de Javi García aos 65'. A partir daí, o Benfica conseguiu ficar por cima, aumentou o ritmo, mas tinha de correr atrás do prejuízo, e o Schalke é uma equipa adulta, que voltou a marcar quando o adversário se expunha e parecia ser capaz de chegar ao empate. E sofrer um golo daqueles não é próprio de uma equipa de alta competição, embora se veja com alguma frequência. Desde que o fora-de-jogo posicional acabou, e foi há bastante tempo, toda a gente sabe, ou devia saber, que depois de uma bola parada, quando a equipa sobe, tem de se olhar para a bola e para o adversário. Quem só olha para a bola sofre golos destes.

4 - Jesus também está intranquilo

Ao contrário do que acontecia na época passada, Jorge Jesus tem estado a mudar a equipa vezes de mais, transmitindo-lhe um sentimento de intranquilidade e correndo o risco de passar para fora a ideia de que também ele está intranquilo. Neste momento, há 4/5 posições fixas, as restantes têm-se alterado muito, com jogadores que mudam de lugar, como Coentrão ou Carlos Martins, outros que saem da equipa e depois regressam por opção, como tem acontecido com Gaitán, Salvio ou mesmo Saviola. Tantas mudanças provam que as coisas não estão bem e que a solução tarda. Quando as mudanças são determinadas por lesões ou castigos, pode-se lamentar e remendar, quando é por opção é diferente. Basta atentar no exemplo da época passada: a base era tão sólida que, pontualmente, qualquer um podia sair, mas o que entrava correspondia como se jogasse sempre. E não vale a pena falar de inexperiência: Maxi Pereira, Luisão e Coentrão estiveram no Mundial, David Luiz é jogador de selecção, Aimar e Saviola são internacionais A da Argentina, Carlos Martins tem estado em grande na Selecção Nacional, Cardozo na do Paraguai, Rúben Amorim também já esteve num Campeonato do Mundo…

5 - César Peixoto como Abel Xavier

Uma nota final para referir que é muito mau o que os adeptos do Benfica estão a fazer a César Peixoto. Faz-me lembrar um tempo em que aconteceu o mesmo a Abel Xavier - a bola ainda não chegou ao pé do jogador, e ele já está a ser assobiado. Isso não ajuda nada e não é uma situação fácil de enfrentar, mesmo que se trate de um jogador determinado e que acredite no seu valor. A envolvência é muito importante, e ser assobiado em casa pelos próprios adeptos é mau; o jogador passa a jogar para não errar e não ser assobiado. Com isso, deixa de arriscar, e o que define um jogador de uma equipa grande é exactamente ter qualidade e ser capaz de arriscar. A alternativa, nestes casos, é aparecer um lance milagroso que reverta a situação de uma vez, como aconteceu com Roberto. O César está a precisar de um grande golo.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Benfica 1 - 2 Schalke 04 - Fase de Grupos Liga dos Campeões 2010/11

Para quem leu a minha crónica no encontro de Tel Aviv, peço-vos: releiam-na e percebam como me sinto depois do jogo de ontem. Na minha opinião, voltámos a assistir ontem a uma das páginas mais negras da história do Benfica na Europa, tal como em Israel. Não pelo resultado, porque não é assim tão vergonhoso perder com uma equipa com tradição na Alemanha, mas sim pela falta de entusiasmo, de vontade, de atitude... em suma, de profissionalismo, da parte dos nossos jogadores. E em relação a esta pasta poderia estar aqui a repetir o que já disse nesse post, mas quem o leu e quem me lê normalmente sabe o que eu disse e o que penso sobre isto, portanto não vou dizer tudo de novo. Só acho inconcebível que uma equipa como a que nós temos (que não dá, obviamente, para ganhar uma Liga dos Campeões, mas que podia perfeitamente chegar aos quartos-de-final) se veja obrigada a esperar pelo apito final de um Lyon-Hapoel Tel Aviv para ver se não vai de vela das competições europeias logo em Dezembro. Isto indigna-me, porque já houve tempos em que uma equipa do Benfica composta por remendos como Jorge Soares, Marinho, Bermúdez, Tahar, Luiz Gustavo, Jamir, Paulão, Pedro Henriques, Mauro Airez e Hadrioui conseguiu chegar aos quartos-de-final de uma prova europeia, onde só cairía perante a Fiorentina (e ganhou 1-0 em Itália, depois de perder 0-2 na Luz). Se até uma equipa com tamanha falta de qualidade chegou tão longe, é inconcebível que a equipa actual (45 mil vezes melhor) não mostre metade da atitude desse conjunto de bons rapazes que por cá andou. Tivemos resultados horríveis nesse período, mas ao menos sabíamos que não se lhes podia exigir mais do que aquilo que davam. Agora não. Agora temos grandes jogadores que se aburguesaram (tal como o treinador), que estão a jogar na Liga dos Campeões como se estivessem a jogar o Torneio do Guadiana. Continuarmos nas competições europeias é um milagre, mas, como já referi anteriormente, a jogar com esta displicência mais valia nem irmos lá ou sermos logo eliminados. Não quero ver novo desastre como o de Vigo.


Do jogo em si, mais do mesmo. Jesus voltou a inventar, colocando um homem em campo que de jogador já tem muito pouco. O César Peixoto não teve uma acção bem sucedida, uma única, em 45 minutos. Para fazer aquilo que ele fez, até eu era jogador do Benfica. Aquelas jogadas em que lhe passam a bola, ele recebe-a e se atira para o chão em busca de falta porque a velocidade com que joga aos 30 anos já é a mesma do Valderrama quando acabou a carreira, aos 40 e tal, não são de jogador de futebol: são de ex-jogador. O Peixoto não tem a mínima qualidade para jogar na Liga dos Campeões. No campeonato, apesar de mau, ainda disfarça, mas nesta competição fica facilmente à vista o desastre que é este rapaz. De resto, a ineficácia habitual e o golpe de mestre dado pelo adversário quando menos se espera. Curiosamente, Raúl e Huntelaar nada fizeram durante todo o jogo. Exceptuando o pequeno pormenor do espanhol servir de bandeja o seu compatriota Jurado (talvez o melhor do Schalke ontem) para o golo. Apenas um pormenor.


Na segunda parte, a mesma coisa. O Benfica atacou mais (pouco, é certo, mas mais) e o Schalke voltou a revelar o seu sentido de oportunidade: na única ocasião que teve, aproveitou a lentidão da defesa do Benfica para aumentar a vantagem, pelo central Howedes. E o Benfica a ver a caravana a passar e as bolas a entrar.


De repente, a equipa pareceu acordar e lá marcou um golinho, que nem foi festejado, tal o conformismo de todos. Curiosamente, o capitão Luisão, o autor do golo, foi um dos que menos entusiasta se mostrou mesmo depois de ter marcado. É caso para perguntar: o que raio se passa naquele balneário...

Termino dizendo o seguinte: leio sempre, depois de cada derrota, em muitos blogues benfiquistas as coisas habituais: uns são mais vieiristas, apoiando cegamente tudo o que o presidente faça e tudo o que acontece no clube; outros mais pessimistas, que preferem criticar o que vai mal para que as coisas melhorem. Normalmente, estes últimos são mal vistos porque, como em tudo na vida, criticam. Mesmo que seja construtivamente, criticam, e quem está no poder e quem gosta de apoiar quem está no poder não admite críticas. Pois eu digo-o claramente para quem quiser ouvir (ler, no caso): sou totalmente dos que criticam quando sentem que têm que criticar. Nunca pensei pelos outros, nunca fui pela conversa do "tens de apoiar porque são os nossos". Se os nossos forem uma porcaria e se fartarem de fazer porcaria, não lhes vou aplaudir. Essa história de que enquanto estão a representar o Benfica são os melhores do mundo para mim não pega. O Benfica sim, é o melhor do mundo. Quem o representa vem e vai. Não me venham com tretas que não se pode criticar os nossos, nem o presidente, nem o treinador, nem os jogadores. Se eu vejo que as coisas estão mal, não tenho medo de me insurgir. Tenho liberdade para o fazer e ninguém é mais benfiquista que eu. Não sou sócio, pois não, mas sou tão benfiquista como qualquer sócio. Ou mais.
E agora que a equipa trate de tentar melhorar a horrenda imagem que deixou na Europa e que elimine o Braga da Taça. É o mínimo que "os nossos" podem fazer.

O resumo do jogo aqui:

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

O Benfica na Liga dos Campeões - Shakhtar Donetsk 1 - 2 Benfica 2007/08

Porque hoje jogamos a nossa continuidade na Europa, decidi relembrar a última vez em que estávamos nesta situação (numa situação muito mais dramática, na verdade). Na última jornada da fase de grupos da Liga dos Campeões 07/08, o Benfica tinha obrigatoriamente de vencer em Donetsk para ultrapassar os russos e assegurar o terceiro lugar e consequente apuramento para a Taça UEFA, depois de ter sido afastado por Milan e Celtic. Qualquer outro resultado que não o triunfo tirava-nos da Europa. Acabámos por consegui-lo, num desfecho que espero que se repita hoje.

A base dessa equipa do Shakhtar era a mesma que viria, no ano seguinte, a vencer a Taça UEFA (e que já havia vencido 1-0 na Luz). No onze do Benfica, orientado por José Antonio Camacho, estavam alguns dos jogadores que ainda se mantêm no plantel (no caso, Luisão, David Luiz, Maxi Pereira e Cardozo). Luís Filipe e Nuno Gomes ficaram no banco (haviam de entrar no decorrer do jogo). Moreira, Fábio Coentrão e Mantorras não foram convocados. O jogo acabou por ficar resolvido muito cedo (logo aos 21 minutos), dada a entrada de rompante dos encarnados. E um nome em especial sobressaiu: Cardozo. O paraguaio apontou dois golos plenos de oportunidade, numa noite fria como gelo, e selou o triunfo encarnado, embora o Shakhtar ainda tivesse reduzido de penalty, por Lucarelli. Nessa altura, esse triunfo valeu-nos chegar aos 7 pontos. Hoje, embora já eliminados, ainda podemos chegar aos 9 (curiosamente, da última vez que passámos aos oitavos-de-final, fizemo-lo com... 8). Esperemos que sim.

O resumo do jogo pode ser visto aqui:

http://www.tudou.com/programs/view/a1Fu5o6N_VY/#cmPost

segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

JVP


Benfica-Olhanense

1 - A chama não foi imensa mas deu para ganhar

Do Benfica pode dizer-se que a chama não foi imensa, mas foi a suficiente para ganhar com justiça. A minha alusão à chama tem que ver com um facto que se tem notado repetidamente. Independentemente de tudo quanto se tem dito, o que tem faltado ao Benfica - obviamente que na minha óptica - é, precisamente, paixão. Eu sei, e toda a gente sabe, que a equipa não é a mesma, que os jogadores que entraram não estão ao nível dos que saíram, mas a comparação com a época passada é inevitável e percebe-se com clareza que a este Benfica falta alma, falta paixão. Isso nota-se até na forma meio tristonha como os golos são festejados.

2 - Paulo Sérgio e Jorge Gonçalves punham em causa domínio do Benfica

A primeira parte foi equilibrada, embora coubesse ao Benfica maior iniciativa e domínio, mas faltava-lhe ter mais bola, uma maior dinâmica ofensiva, para além de que eram notórios os desequilíbrios defensivos, que serviam, e de que maneira, a estratégia do Olhanense, que queria jogar em transições muito rápidas. O modo de jogar do Benfica acabava por servir os interesses de um adversário bem organizado que teve sempre Paulo Sérgio e Jorge Gonçalves apontados à baliza de Roberto. E não é fácil controlá-los, porque são dois jogadores muito rápidos mas experientes, que criaram várias situações de aperto para o Benfica.
Neste particular dos desequilíbrios, creio que a equipa foi de encontro ao que tenho vindo a afirmar da falta de paixão. Por exemplo, a inclusão de Rúben Amorim na esquerda do meio-campo do Benfica deveria servir para proteger as subidas de Fábio Coentrão, mas a falta de alma a que me refiro não o permitiu. Os sectores estiveram muito separados durante a maior parte do tempo e pouca gente se preocupava em recuperar quando a bola era perdida. Essa postura só serviu para facilitar a estratégia do Olhanense, que apesar de jogar com o bloco baixo saía para o ataque com três e quatro jogadores sem que o Benfica tivesse igual número de elementos a correr para o evitar.

3 - Faltam espaços e inspiração

Por mérito próprio, o Olhanense não dava ao Benfica os espaços de que precisava para criar situações de golo. Obrigava Aimar a recuar muito para organizar o jogo e retirava espaço de manobra a Saviola para criar os desequilíbrios que sempre procura quando tenta jogar entre linhas. Refiro-me especificamente a esses dois jogadores porque Rúben Amorim e Gaitán não conseguiam criar desequilíbrios, o primeiro porque não tem essas características e o segundo por estar desinspirado. Excepção feita aos remates de Cardozo, o Benfica não conquistava espaço devido à lenta circulação de bola que estava a fazer. Para acalmar o grupo e a plateia, valeu um golo feliz no aproveitamento de uma bola parada, com a sorte suplementar de acontecer perto do intervalo. Acabou por ser um golo importante, até porque nessa altura a vantagem do Benfica em termos de jogo era muito pequena e Carlos Fernandes também podia ter feito golo para o Olhanense.

4 - Golo anulado ao Olhanense mostra apatia do Benfica

A segunda parte teve 10 minutos iguais aos 45 da primeira, com o Olhanense a tentar subir no terreno e bem cedo teve um golo anulado. Mesmo não querendo julgar o lance, foi uma situação que mostrou bem a apatia que estava instalada no Benfica. O lance parece ter espicaçado os da casa, que a partir daí, mesmo sem jogarem um futebol atractivo, passaram a controlar os movimentos do adversário de uma forma mais segura. No ataque, o Benfica passou a criar situações de embaraço para Moretto de cada vez que acelerava, apesar de ter jogado no risco durante tempo de mais, pois marcou o segundo aos 80' e até aí esteve sempre sujeito a que um erro ou lance de inspiração do Olhanense pusesse a vitória em causa. E pela forma do jogar da equipa algarvia, esse perigo era mesmo real.

5 - Luisão e Roberto foram os melhores

Embora não tenha havido grandes destaques individuais - ou se calhar por causa disso mesmo -, no Benfica vou escolher Luisão e Roberto como os melhores. Tratou-se de um jogo ingrato para ambos, porque o Benfica teve momentos de mais em que se desequilibrou e tiveram de ser eles a resolver os problemas. Luisão adoptou um sistema de não facilitismo e chutar para a frente pode não ser bonito mas há alturas em que dá muito jeito. É um líder nas jogadas aéreas e deixou-se de algumas invenções que lhe vimos nos primeiros anos de Benfica. Roberto, sempre que chamado a intervir, esteve bem. Do lado do Olhanense destaco o trabalho de Paulo Sérgio, um jogador irreverente, activo, que procura ter a bola e, com ela, foi sempre incómodo para o Benfica.

domingo, 5 de dezembro de 2010

Benfica 2 - 0 Olhanense - 13ª Jornada 2010/11

Salvou-se o resultado numa das exibições mais descoloridas dos últimos tempos. Estive no estádio, onde a actuação dos nossos jogadores já não me tinha parecido brilhante. Ao ver o resumo do jogo e os comentários dos outros bloggers encarnados, percebi claramente que a minha percepção inicial não estava errada. Enfim, salvou-se o resultado e a certeza de que não iremos perder pontos para os principais rivais esta jornada. E isso, neste momento, é mesmo o mais importante.


A exibição, como já disse acima, não foi boa. Os jogadores estiveram sempre a um nível baixo, muitas vezes parecendo até apenas arrastar-se em campo (com especial destaque para Gaitán). A primeira parte acabou com mais ataques do Olhanense (pelo menos perigosos), salientando-se uma saída espectacular de Roberto num livre onde Carlos Fernandes tinha tudo para marcar (foi uma mancha extraordinária). O espanhol continua a subir na minha consideração e, para quem dizia (diz?) que ele ainda não deu pontos ao Benfica... vão ao oftalmologista ou aprendam a ver futebol. Um pouco do nada surgiu o golo inaugural, mais uma vez pelos pés do Tacuara... e com uma contribuição muito especial de Moretto, o tal que sempre foi mal-amado na Luz. Se dúvidas houvesse sobre o porquê desse sentimento dos adeptos, ficaram dissipadas ontem. E Cardozo já é o melhor marcador estrangeiro de sempre do Benfica, em igualdade com Mats Magnusson. E com menos uma época do que o sueco aqui (Magnusson fez 5, Cardozo ainda vai na quarta).


Na segunda parte, assistiu-se a um pouquinho mais de futebol por parte do Benfica, embora até tivesse sido o Olhanense a marcar primeiro (por Paulo Sérgio, o melhor jogador da equipa algarvia), num lance bem anulado por fora-de-jogo do antigo jogador do Sporting. A saída de Gaitán e a entrada de Carlos Martins fizeram muito bem ao Benfica (arrisco-me a dizer que ter Carlos Martins em campo nunca pode ser mau), ao contrário da entrada de Salvio, que não acertou um único passe (que barrete...). Ainda assim, o Olhanense foi morrendo aos poucos e o Benfica lá conseguiu o golo da tranquilidade, já depois de Cardozo ter atirado ao poste num belíssimo remate após combinação com Saviola. O mesmo Saviola apontou o segundo golo encarnado, num lance à Saviola: a conclusão ao 2º poste num canto, aproveitando o primeiro toque de cabeça de David Luiz (que desta vez finalmente fez uma exibição imperial, sem qualquer erro).


Para já, estamos a 5 pontos da liderança (embora todos saibamos que o Porto não dá menos de 3 ao Vitória de Setúbal no Dragão). Com 17 jornadas para o final do campeonato, não se pode falar no título como sendo uma miragem, mas todos sabemos que já está muito difícil lá chegar. O importante é ir vencendo para se manter o 2º posto, algo que não me parece muito difícil: como já pudemos ver hoje, nem o Vitória de Guimarães, nem o Sporting e muito menos o Braga parecem ter argumentos suficientes para conseguir discutir esse lugar connosco. Quanto às competições europeias, e perspectivando já o encontro com o Schalke 04, só se pede à equipa que honre a história do clube e que vença os alemães para assegurar de vez o 3º lugar no grupo e a consequente qualificação para a Liga Europa.

Os golos do jogo aqui:

sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

O Benfica no campeonato - Benfica 5 - 0 Olhanense 2009/10

Desta vez não havia muitas voltas para dar. Escolhi a última vitória sobre o Olhanense, que nos deixou às portas do título, e a qual espero ver hoje repetida (não digo pelos mesmos números, claro, mas pelo menos que se garantam os 3 pontos).

A história é-nos familiar e conta-se em poucas palavras. A três jornadas do fim, o Benfica só precisava de 4 pontos para ser campeão. O Olhanense, que precisava urgentemente de pontos para se salvar (acabaria por consegui-lo), não era pêra mole, até pelas conhecidas ligações que tinha ao Porto. No entanto, o jogo acabou por ficar resolvido aos 8 minutos, quando Delson, que já havia cometido penalty logo aos 2, viu o segundo amarelo numa entrada assassina sobre Di María (grande jogo fez o argentino). Além de Angelito, destacou-se o hat-trick de Cardozo, que lhe permitiu ficar muito perto de se sagrar melhor marcador do campeonato (o que conseguiria, com 26 golos). No 11 estavam presentes, do actual plantel, Rúben Amorim, Luisão, David Luiz, Fábio Coentrão, Javi García, Aimar, Weldon e Cardozo (entrariam depois Maxi Pereira, Saviola e Nuno Gomes). No banco, não utilizados, ficaram Moreira, Sidnei, Carlos Martins e Kardec, enquanto Júlio César, Roderick, Luís Filipe, César Peixoto, Airton, Felipe Menezes e Mantorras não foram convocados. Se jogarmos hoje metade do que o fizemos neste jogo, já será muito bom.

O resumo desse jogo, aqui:

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

JVP


Beira-Mar-Benfica

1 - Diferença já está num dígito

O Benfica deu resposta positiva a um teste que, atendendo aos últimos dias, tinha de ser considerado muito importante. Num bom jogo, em que há a salientar a boa atitude competitiva de ambas as equipas, o Benfica foi melhor, ganhou, o que para a equipa era fundamental, e reagiu bem à estranha derrota com o Hapoel. O grupo mostrou outra disponibilidade, melhor dinâmica, impôs velocidade à partida e, com isso, foi capaz de ficar por cima durante a maior parte do tempo. Aliás, mesmo tendo marcado a fechar a primeira parte, antes disso tinha desperdiçado várias oportunidades de golo. A vitória também foi importante para o Benfica do ponto de vista da esperança, porque a desvantagem para o primeiro classificado deixar de ser de dois dígitos e passou a ser de apenas um. De qualquer forma, frente a este FC Porto que ainda não perdeu, oito pontos continua a ser muito ponto.
Para o bom espectáculo contribuiu o Beira-Mar, que mostrou por que está bem posicionado na tabela classificativa, jogou sempre um futebol positivo, ainda que na primeira parte tenha sentido bastantes dificuldades para jogar o seu futebol, devido à forte pressão exercida pelo Benfica, daí ter tido em Hugo o seu melhor elemento desse período. Mesmo assim, vê-se que é uma equipa que gosta de ter a bola.

2 - Havendo Cardozo, há mais Saviola

A presença de Cardozo em campo muda por completo a face do Benfica. Sendo um jogador posicional, que ocupa o seu espaço na área, liberta Saviola para percorrer outros terrenos e permite ao argentino ter maior mobilidade do que quando joga com Kardec, pois o brasileiro, sendo bastante mais móvel do que Cardozo, tapa muitas vezes os caminhos a Saviola. Há um bom entendimento entre ambos e o golo de Saviola, a passe de Cardozo, é apenas um exemplo disso. Ontem, viu-se Saviola com mais espaço para percorrer e o Benfica com uma referência constante na área, pois Cardozo não é só importante nas bolas paradas.

3 - Melhoria nas bolas paradas, mas só no ataque

Para além de recuperar a dupla atacante de sucesso, o Benfica mostrou em Aveiro qualidades que se lhe reconheciam mas que nos últimos tempos andavam desaparecidas. Por exemplo, notou-se uma atitude mais agressiva nas bolas paradas, mas só nas ofensivas, porque nas defensivas continua a ver-se momentos de desconcentração altamente comprometedores. Mas o Benfica foi feliz no minuto em que marcou o primeiro golo - última da primeira parte - e pôde ir para o intervalo tranquilo. Um golo dá sempre serenidade.

4 - Podia ter caído para qualquer lado

A segunda parte teve um quarto de hora superinteressante, em que o jogo se tornou aberto e ambas as equipas tiveram grandes oportunidades de marcar. O Benfica fez o 2-0 mas também podia ter caído para o outro lado, pois o Beira-Mar estava à beira do empate. Esses momentos em que os jogos se partem e há duas equipas à procura do golo em toada de parada e resposta são bonitos e interessantes para quem assiste à partida, mas não creio que seja a melhor maneira para uma equipa com as ambições do Benfica gerir uma vantagem. A sentença acabou por surgir num grande golo de Cardozo, porque a partir daí o jogo tornou-se mais fácil de gerir, porque depois apareceu o terceiro golo.
Ainda que tenha de falar em mérito do Beira-Mar, equipa que assume o jogo com desinibição, foi devido a desconcentrações defensivas do Benfica que continuou a haver motivos de interesse e que depois do golo da equipa da casa poderia ter surgido o segundo, o que teria devolvido à partida momentos de incerteza. Tal como tinha acontecido frente ao Lyon, o Benfica cometeu a leviandade de considerar que o resultado estava feito quando ainda havia muito tempo para jogar.

5 - Hugo, Ronny e ataque do Benfica em destaque

Os destaques da partida vão para a dupla atacante do Benfica, sendo de salientar que Cardozo apareceu muito bem depois de uma paragem bastante prolongada devido a lesão e já referi como tudo muda com a presença do paraguaio em campo. Bastou a presença dele para Saviola despertar e voltar a ser influente.
No Beira-Mar, Hugo esteve em grande, principalmente na primeira parte, em que foi tudo dele, tendo adiado várias vezes o primeiro golo benfiquista. Também Ronny esteve em evidência. É um jogador irreverente e não tem medo de ter a bola. Apareceu mais do que uma vez solto nas costas da defesa do Benfica.

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Beira-Mar 1 - 3 Benfica - 12ª Jornada 2010/11

Lá diz o ditado que depois da tempestade vem a bonança. Neste caso, depois de um vendaval de todo o tamanho, veio uma resposta positiva. O triunfo em Aveiro, frente a um adversário que já roubou pontos a Sporting e Braga e onde ainda ninguém tinha ganho, veio na melhor altura, contribuindo para repôr os níveis de confiança na equipa e acima de tudo para serenar os ânimos do grupo. A exibição não foi brilhante, longe disso, mas foi consistente o suficiente para deixar a nu, claramente, as qualidades e fragilidades deste plantel. Cardozo é muito, mas muito mais jogador que Kardec, Saviola é o melhor avançado da equipa e David Luiz está, definitivamente, a fazer uma época horrível. De resto, tudo ao nível habitual.


A primeira parte foi praticamente toda dominada pelo Benfica. Os ataques foram-se sucedendo desde o início do jogo, e ficou um penalty por marcar (mais um, já vai sendo normal) logo aos 14 minutos. A equipa não se desuniu, continuou em busca do golo, acreditando sempre que ele havia de surgir - ao contrário do que aconteceu noutros jogos esta época. Acabaria por acontecer noutro penalty, este marcado (e bem) por agarrão claro sobre Cardozo. O paraguaio não falhou e levou o Benfica bem mais tranquilo para a segunda parte, em que voltou a entrar mandão, traduzindo essa superioridade em mais um golo, desta feita um golaço, do Tacuara. Estava resolvido o encontro.


Mas ainda havia mais para vir. O terceiro golo chegaria dos pés de Saviola, após um trabalho espectacular de Cardozo (o tosco, não é?) sobre Hugo (curiosamente o melhor em campo dos aveirenses) à linha. O argentino redimiu-se das muitas oportunidades que já desperdiçou esta época e lá voltou aos golos.


A partir daqui, o Benfica entregou as rédeas do jogo ao Beira-Mar e a equipa da casa criou algum perigo para a baliza de Roberto, nomeadamente através de Ronny (que se tivesse mais calma e clarividência poderia ter marcado ou deixado os seus colegas marcar em várias ocasiões). Acabou por ser Rui Varela a fazer o golo de honra da equipa anfitriã.


Com esta vitória e com o empate registado no clássico da jornada (onde o Porto foi pela primeira vez prejudicado nesta época), e beneficiando ainda da derrota do Vitória de Guimarães na Madeira, o Benfica aproveitou para se isolar no segundo lugar e diminuir em 2 pontos a distância em relação ao líder - é agora de 8. Ainda faltam 18 jornadas, nas quais o Benfica terá de dar tudo por tudo. Se já não chegar para o bi-campeonato, ao menos que se mantenha o 2º posto e o consequente apuramento para a pré-eliminatória da Liga dos Campeões. E obviamente tentar vencer as Taças nacionais (e já agora, se não for pedir muito, fazer uma figura razoavelmente boa na Liga Europa). É tudo o que se pede neste momento.

O resumo do jogo:



PS: O Benfica garantiu, pelo segundo ano consecutivo, a passagem à final-four da Liga dos Campeões de futsal, a UEFA Futsal Cup, competição da qual somos os campeões em título. Este ano teremos a companhia do Sporting e há a clara possibilidade de nos encontrarmos na final, o que seria fantástico para o futsal português. Vou torcer para que isso aconteça e que o Benfica consiga sagrar-se bicampeão europeu!

PS2: Depois do Benfica no Dragão e da Espanha na Luz (seriam 5 em condições normais), o Real Madrid caiu em Barcelona pelo mesmo resultado. É caso para dizer que os melhores escolheram todos o mesmo ano para levarem uma mão cheia...

Ah, e o Mourinho vai ser campeão de Espanha. Não duvido.

domingo, 28 de novembro de 2010

O Benfica no campeonato - Beira-Mar 2 - 3 Benfica 2004/05

Hoje vamos a Aveiro, e porque acho que precisamos de recordar momentos felizes do nosso clube, fui buscar a última vez que ganhámos no campo do Beira-Mar. E numa época em que fomos campeões (na penúltima vez que o fomos).

Estávamos então na primeira jornada da época 2004/05. Giovanni Trapattoni fazia o seu quarto jogo no comando do Benfica e o pecúlio não estava muito famoso até aí (já havia perdido a Supertaça para o Porto e sido afastado na pré-eliminatória da Liga dos Campeões pelo Anderlecht). Era, por isso, imperioso começar o campeonato com uma vitória para afastar fantasmas e devolver o Benfica ao trilho do sucesso. E foi isso que aconteceu, embora com muito sofrimento à mistura. No 11 de então estavam presentes, do actual plantel, apenas Moreira e Luisão. Mantorras e Nuno Gomes estavam nessa equipa mas não foram convocados (o angolano por lesão e creio que o português também). Desse jogo destaca-se o bis de Karadas, que se estreava no campeonato português, e a semi-recuperação do Beira-Mar, liderada por Beto - o mesmo que depois viria a jogar no Benfica. De referir que os aveirenses desceram de divisão nessa época (ficaram mesmo em último). Esperemos que o Benfica hoje seja capaz de voltar a vencer em Aveiro, seis anos depois.

Os golos desse jogo:









sábado, 27 de novembro de 2010

JVP


Hapoel-Benfica

1 - Perder um jogo que era fácil de ganhar

O Benfica perdeu por culpa própria um jogo que deveria ter ganho com alguma facilidade. O que aconteceu foi incrível. É difícil de entender, e mais ainda de explicar, como é que uma equipa, mesmo jogando sem grande intensidade, consegue um ascendente claro, cria várias oportunidades de golo, não marca e depois sofre dois golos de bola parada, um deles de canto, quando um canto, para o Benfica da época passada, nem sequer podia ser considerado uma jogada potencialmente perigosa. Este Benfica é uma equipa descrente, apática, que não me parece disposta a sofrer. Tomou conta do jogo, teve o domínio das operações e a seguir desorganizou-se em termos defensivos, deixou-se partir, permitiu que os jogadores estivessem distantes uns dos outros, com uma falta de concentração perfeitamente anormal. Dá ideia de que, de uns jogos para os outros, não aprende com os erros cometidos.

2 - Imagem desastrosa e Aimar a remar sozinho

O que se passa a nível de resultados começa a ser grave para a imagem internacional do Benfica. É que, para o exterior, não passa apenas uma derrota por 3-0 consentida perante um adversário fácil; passam todo o passado recente e uma imagem de insegurança e instabilidade. Os 5-0 do Dragão continuam vivos e, pelo jogo de ontem, percebe-se que a vitória por 4-0 frente à Naval em termos práticos não serviu de nada.
Olha-se para esta equipa e percebe-se que há muita desmotivação, e são vários os jogadores desmotivados. Ontem, a excepção foi Aimar, que se fartou de remar contra a maré, mas esteve sozinho. Foi o único que se notou que queria mesmo ganhar.
Foram muitos os problemas no último terço do campo, e o Hapoel, mesmo pondo muita gente atrás da linha da bola, era pouco agressivo e defendia mal. Mesmo assim, na segunda parte bastou-lhe fazer uma transição bem feita e aproveitar duas bolas paradas para humilhar o Benfica.

3 - Surpreendeu-me ver Carlos Martins no banco

Surpreendeu-me que Carlos Martins tivesse ficado no banco. Do meu ponto de vista, ele dá mais consistência à equipa tanto em termos defensivos - mesmo que não seja perfeito - como em termos ofensivos. É também um jogador que pode fazer a diferença nas bolas paradas, nos remates de meia distância ou mesmo nos passes de risco. Um meio-campo com Salvio e Gaitán não me parece que possa ser consistente. Carlos Martins dá mais garantias do que qualquer um dos outros e tem estado moralizado, até com a Selecção Nacional.
Qualquer que seja o ângulo de abordagem deste jogo, tem de ficar claro que, pelo número de oportunidades criado, o Benfica deveria ter vencido com tranquilidade.

4 - É tempo de deixar de falar de Ramires e Di María

Nesta altura, já não se pode continuar a atribuir a má época à saída de Ramires e Di María. Parece-me que a equipa está a passar por uma crise mental; a capacidade de reacção a uma contrariedade é praticamente inexistente. Insisto na ideia que me parece mais chocante: a equipa não está disposta a sofrer. Porque embora esta equipa não seja tão boa como a da época passada, vale muito mais do que aquilo que tem feito. Falta eficácia, falta definição no último terço, a organização desfaz-se, não tem conta o número de cantos desperdiçados por uma equipa que na época passada dominava completamente este aspecto tanto na componente ofensiva como defensiva. Continuar a falar dos jogadores que saíram, mesmo tendo eles sido importantíssimos, é querer passar ao lado dos problemas.
Ontem tinha bastado pressionar o Hapoel à saída da sua área. Das poucas vezes que o fez, o Benfica ganhou a bola e criou perigo. Devia ter sido fácil.

5 - Mercado não é única solução

Principalmente desde a derrota no Dragão que se tem falado muito de mercado, e acredito que os rumores vão aumentar a partir deste desastre. Sinceramente não me parece que a solução para os problemas do Benfica passe apenas por idas ao mercado. Quando a crise é psicológica, não é a chegada de novos jogadores que vai mudar o cenário. É óbvio que a chegada de bons jogadores pode ajudar, mas para resultar é preciso que treinador tenha conseguido recuperar o grupo em termos psicológicos. Nesta altura, o problema motivacional é o mais importante de todos. As quebras de concentração e a incapacidade para reagir às contrariedades são prova disso mesmo.

sexta-feira, 26 de novembro de 2010

Hapoel Tel Aviv 3 - 0 Benfica - Fase de Grupos Liga dos Campeões 2010/11

Só hoje escrevo sobre este jogo porque, na verdade, não queria escrever a quente depois do que aconteceu na quarta-feira. No entanto, dou por mim a pensar que a minha opinião se mantém a mesma desse dia. Assistiu-se, em Israel, a uma das páginas mais negras da história do Benfica. O que se viu naquele campo foi miserável. E não me estou a referir apenas ao resultado (embora achasse de todo inconcebível, antes do jogo, que o Benfica fosse perder a Israel e por uma margem tão acentuada). Estou a referir-me à exibição e à falta de vontade gritante de alguns jogadores em estar ali e trabalhar pelo Benfica. A partir de agora nunca mais vou engolir as tretas de entrevistas ao jornal O Benfica a dizerem que o Benfica é uma religião, que adoram o clube acima de tudo, que é aqui que querem estar. É tudo mentira. Quem adora o Benfica somos nós, os adeptos e sócios. Já lá foi o tempo dos jogadores, treinadores e dirigentes representarem o clube por amor. Agora só se pensa no dinheiro. Por isso é que já não me apanham a idolatrar jogadores de futebol. Já lá foi esse tempo. Como se pôde novamente comprovar há 2 dias. Sim, estou a falar de David Luiz em particular, mas podia alargar a crítica para quase toda a equipa. A exibição que vimos a maioria dos jogadores fazer foi perto do horrível, sem garra, sem alma. Se estão na Liga dos Campeões a fazer um frete imagino o que pensem das outras competições. Vão-se embora, porque de jogadores assim não precisamos. Nenhuma equipa precisa. O Maxi este ano está morto, a dupla de centrais roça o ridículo, o Javi está a anos-luz do ano passado (falta-lhe o Ramires, eu sei), o Salvio é uma lástima, o Gaitán não tem poder de explosão, o Saviola foi posto de parte pelo Jesus e o Kardec é um azelha de todo o tamanho. Tudo isto é verdade, mas tudo isto não explica levar 3-0 de um conjunto que muitas vezes pareceu constituído por amadores. Só que esse amadorismo nunca foi aproveitado por nós e pior, foi transferido para nós. Sofremos mais 2 golos de bola parada (algo inconcebível, dado que a defesa é a mesma do ano passado), o David Luiz voltou a ter culpas pelo menos nesses 2 (o que já é um hábito que vem de há 2 épocas, mas os benfiquistas entenderam que haviam de idolatrar o menino, que se há-de fazer...) e o Jorge Jesus voltou a mostrar falhas em ler o jogo em momentos críticos. Sinceramente, este ano o mister está a revelar-se uma desilusão para mim. Há vários anos que o considero um dos melhores treinadores portugueses e o ano passado, com aquele futebol que nos proporcionou, confesso que me encheu totalmente as medidas. Mas falhou num momento decisivo (em Liverpool) e este ano então tem sido de bradar aos céus. Começou logo na planificação da temporada, mas disso já falei aqui. Depois veio a Supertaça, que condicionou toda a época (como eu já esperava e também avisei aqui). A partir daí têm sido fracassos atrás de fracassos. Agora vamos para a Liga Europa (em princípio...) e aí quero ver o que esta equipa vai fazer. Se encararem essa competição como encararam a principal, mais vale sermos eliminados logo na primeira ronda para não fazermos figuras tristes e manchar ainda mais uma história tão gloriosa mas que tem sido tão maltratada nos últimos anos. Ah, e que pelo menos haja a decência e o bom senso de tentar vencer as 2 taças nacionais ainda em jogo e de assegurar o 2º lugar para sonhar em participar na Liga dos Campeões da próxima época (se é que vale a pena irmos para lá). E acho melhor ficar-me por aqui no que respeita ao extra-jogo porque sinceramente creio que quem me lê habitualmente sabe a minha posição face ao nosso presidente e a toda a estrutura directiva que gere o Benfica. Eu digo-o com todas as letras: amo o Benfica, é o clube do meu coração e dava tudo para o servir de borla se preciso fosse. Mas esses abutres que de há largos anos para cá minam o clube (não estou a falar só desta direcção, mas de todas desde o Jorge de Brito) deviam levar dias fechados nos seus gabinetes a ver jogos e documentários de antigamente para ver se levavam um banho de humildade e de benfiquismo. Isto que está agora instaurado, esta era das SAD's e de todas as porcarias adjacentes, jogadas de bastidores, empresários a intrometerem-se nos onzes dos treinadores, contratações e escalações técnicas com o único objectivo do lucro (porque é que acham que o Weldon e o Nuno Gomes não contam ao pé de Kardec e Jara? É porque são piores? Não, não é: é porque já não poderão dar dividendos no futuro), esta porcaria já não é o futebol que me apaixonava em criança, isto já nem é competição saudável. É uma indústria totalmente subvertida a favor dos grandes interesses económicos, como aos poucos vai acontecendo com tudo na vida. E isso dói-me muito, porque acima de tudo sou um apaixonado do desporto, da competição saudável. E este circo mediático de saudável já nada tem. Isto está tudo viciado, e o problema é quando minam o clube de dentro. Espero sinceramente que daqui a uns tempos apareça algum benfiquista a sério, que ame o clube, a pegar nele e a devolver-lhe aquilo que em tempos se chamava a mística benfiquista. Perguntem aos antigos o que era.


Sobre o jogo, nem vale a pena dizer grande coisa. O Benfica teve mais de 20 cantos e em nenhum criou perigo. Teve várias ocasiões de golo, algumas flagrantes (o Kardec falhou duas que com o "desastre e ex-jogador" que é o Nuno Gomes estariam lá dentro), mas não teve arte nem engenho para marcar. O Hapoel fez 4 ou 5 remates e marcou 3 golos, todos quase oferecidos pela defesa encarnada. Só posso dar os parabéns ao Zahavi, que com o bis se tornou no homem do jogo, e ao Douglas, que marcou um golo dificílimo (depois do David Luiz se fazer à bola de calcanhar em plena pequena área, só um deficiente motor não marcava).


De resto, já disse tudo. E se calhar até disse de mais.

Os golos do jogo aqui: