quarta-feira, 8 de setembro de 2010

O estado calamitoso da selecção nacional

Estive até agora na dúvida sobre se haveria de escrever ou não sobre o actual estado da selecção nacional. Se a equipa tivesse ganho hoje, provavelmente teria deixado este post para mais tarde. No entanto, a derrota na Noruega e o mais que provável afastamento do Euro'2012 fizeram-me reflectir e inclusive pensar em mudar um pouco a linha editorial deste blog. A partir de agora, vou tentar debruçar-me mais sobre os assuntos que dominam a actualidade do futebol (português e não só) em vez de passar por eles sem me pronunciar, por este ser um blog apenas benfiquista. A partir de agora, será um blog sobre o Benfica mas também sobre tudo o que rodeia o futebol e o desporto em geral. A começar pelo estado calamitoso da nossa selecção.

Depois da derrota de hoje e do mais que provável afastamento de Portugal do Euro'2012, só me apraz dizer o seguinte: mas em que é que os senhores dirigentes da FPF andam a pensar? O que é que eles estão a tentar ganhar com esta palhaçada? Sim, isto é uma autêntica palhaçada: se querem despedir o Queiroz porque já viram que ele, como seleccionador, não dá para mais, então, meus senhores, despeçam-no já e contratem rapidamente um novo seleccionador, que seja capaz de ainda conseguir levar a selecção a bom porto (não será tarefa fácil, mas também ainda não é impossível). Agora, se esta palhaçada continuar, então veremos este Europeu a partir de casa, o que seria vergonhoso. Portugal não falha uma grande competição internacional desde 98, quando ficou de fora do Mundial por apenas dois pontos... exactamente os pontos que perdeu logo na primeira jornada, no empate a zero na Arménia (com um penalty falhado por Oceano no último minuto). Na altura, o então seleccionador Artur Jorge (mais um falhado...) veio pedir calma, lembrando que ainda faltava muito apuramento. No final viu-se o que teria acontecido se tivéssemos ganho esse jogo... Agora, está a passar-se o mesmo. É certo que ainda faltam vários jogos, mas empatar em casa com o Chipre e perder na Noruega não dará, decerto, muita confiança para os duelos futuros, onde se destaca a Dinamarca. Em Europeus, Portugal não falha um desde 92. Em 96, conseguiu ficar em 1º no grupo, eliminando a então campeã em título Dinamarca. Acabaria por ser eliminado nos quartos-de-final pela República Checa, que seria a vice-campeã. Quatro anos depois, só a França campeã do mundo e que se sagraria aí campeã da Europa nos eliminou nas meias-finais. Em 2004, a jogar em casa, melhor ainda: só perdemos na final frente à Grécia. Em 2008, repetimos tal e qual a prestação de 96: ficámos em 1º no grupo e fomos eliminados logo a seguir pela selecção que viria a ser a finalista vencida: a Alemanha. E desta parece mesmo que falharemos a competição na Polónia e na Ucrânia, 20 anos depois, o que não deixa de ser uma vergonha, dada a qualidade dos jogadores portugueses. É incompreensível o que a Federação está a fazer à selecção. Não são os mesmos dirigentes da mesma Federação que estão sempre a lembrar o prejuízo que dá à FPF a selecção falhar uma grande competição? Se assim é, porque é que não estão a ligar nenhuma a este Euro? É que eu estou, e custa-me ver o meu país ser humilhado desta maneira em todos os jogos. A qualificação para o Mundial foi o que foi, mas esta está a ser um descalabro a todos os níveis. Já está na altura de se apurarem as responsabilidades e correr, de vez, com toda a porcaria que grassa na Federação. O presidente era logo o primeiro, os vices e toda essa corja vinha a seguir e os treinadores também. É preciso uma limpeza geral, caso contrário falharemos o Euro e, pior que isso, a imagem do país voltará a cair no descrédito em que vagueou durante anos. Ao menos tenham consideração por quem ama este país com a sua vida.

5 comentários:

Jotas disse...

Meu caro sloml, no fundo, estye post vai muito ao encontro do rescaldo que fiz no final do jogo com o Chipre e a mima só me apraz dizer que está na hora de mudar os rostos, de uma vez por todas, todos nós que gostamos de futebol, temos a obrigação de exigir a demissão de quem se serve do nosso futebol há tanto e tanto tempo, está na hora desses senhores percebrem o fim de um ciclo e darem oportunidade a novos rostos e de preferência de gente que sabe de futebol.

Pedro BV disse...

Sem dúvida que é preciso um treinador com uma personalidade forte para compensar a incompetência que existe a vários níveis dentro da F.P.F.

Tenho pena de ver a selecção assim mas há males que vêm por bem e se com estes resultados acabarem por sair algumas das sanguessugas e dos fantoches que por lá andam então vale bem a pena.

Abraços,
Pedro BV

VHugo disse...

O problema do Futebol português é o problema do Pais. Está tudo agarrado ao lugar, sempre as mesmas pessoas, que só trocam é de postos, e não deixam entrar novos para lavar de vez em quando os ares. Mas isto vai continuar enquanto, adivinhem, Pinto da Costa não morrer. Não estou de maneira nenhum a desejar que ele morra, mas isto é um facto!

www.forcamagicoslb.blogspot.com

sloml disse...

Jotas, plenamente de acordo.

Pedro, concordo com a primeira parte do teu comentário, embora assim de repente não consiga dizer algum nome que gostasse de ver à frente da selecção que não seja o de José Mourinho. No entanto, não consigo aceitar que a selecção fique de fora de uma competição destas por culpa destes otários. Mesmo com eles lá, gostaria sempre de ver Portugal nestes palcos.

VHugo, acho que isto vai muito além desse sujeito. É certo que ele é o maior vilão do nosso futebol, mas o problema da selecção não está lá. Já obtivemos bons resultados nos últimos anos e ele não teve voz activa nisso (com Humberto Coelho e Scolari, por exemplo). Bastava termos um seleccionador melhor e tudo se poderia compor decentemente. Assim como está agora... não sei, não.

Bimbosfera disse...

Há coisas com piada, eheheheh! Daqui, a única coisa com piada nisto é que andas a usar demasiadas vezes a palavra «grassa». O resto não é piada, é trágico. Só que como eu não apoio com estes gajos lá, e a minha selecção é o Benfica, pois com Queirós já chorei o que tinha a chorar da selecção quando era miúdo, e falhámos uma competição com ele, creio, se não foi com ele, foi com o Artur, mas é a mesma coisa, sei que faltavam marcar 4 golos no último jogo e marcámos 3... Não chegou...
Por isso, nem é trágico, nem é cómico, é tragicómico... É uma tristeza, é o que é!

Abraço

Márcio Guerra, aliás, Bimbosfera

Bimbosfera.blogspot.com