sexta-feira, 16 de abril de 2010

O nosso plantel XIV - Ruben Amorim

O cliente de hoje de "O nosso plantel", depois de já terem sido analisados os percursos de Quim, Moreira, Júlio César, Maxi Pereira, Luís Filipe, Luisão, David Luiz, Sidnei, Miguel Vítor, Roderick Miranda, César Peixoto, Shaffer e Javi García com a camisola do Benfica, é o mais polivalente jogador do plantel e um produto das escolas do clube: Ruben Amorim.


Depois de ter feito grande parte da sua formação na Luz, Ruben Amorim acabou por sair para o Belenenses em idade de júnior. Cinco épocas a bom nível no Restelo valeram-lhe o reconhecimento dos responsáveis encarnados e acabou por ser contratado a custo zero para regressar a casa no início de 2008/09. Médio centro de formação, mas com reconhecidas capacidades para desempenhar outras funções (nomeadamente médio interior direito e lateral direito), o jogador lisboeta acabou por ganhar um lugar na equipa titular como médio direito no 4-4-2 clássico de Quique Flores, actuando, sempre que necessário, no lugar de Maxi Pereira como lateral-direito ou a médio centro caso Katsouranis ou Yebda não estivessem disponíveis (Binya e Felipe Bastos eram as outras opções para a posição, mas foram muito pouco utilizados - o camaronês fez apenas 7 jogos no campeonato e o brasileiro, só 2). Acabou a época com 26 jogos na Liga e dois golos marcados, tendo ainda ganho a Taça da Liga, onde foi totalista em termos de jogos efectuados - esteve nos 5 da campanha vitoriosa do Benfica.


A época actual também não tem corrido nada mal. Jorge Jesus já conhecia o jogador, que orientou durante 2 épocas no Restelo, e por isso sabia com o que podia contar, não prescindindo nunca das qualidades do médio português. Ruben Amorim continua a ser a principal alternativa a Maxi Pereira como lateral direito, mas acaba por ser mais utilizado como médio interior direito, revezando-se nessa posição com Ramires e/ou Carlos Martins, sendo que apenas uma vez jogou a trinco (em casa, contra a Académica, por castigo de Javi García). Sempre no seu estilo sóbrio mas muitíssimo eficaz, Ruben Amorim já fez 35 jogos nesta temporada, repartidos por todas as competições em que o Benfica esteve inserido: 21 no campeonato, onde marcou 2 golos (falhou 5 jogos, 4 por lesão), os 2 da Taça de Portugal, 2 na Taça da Liga (falhou a fase de grupos devido à mesma lesão, mas actuou nos jogos decisivos contra Sporting e Porto, na final, onde marcou o 1º golo, num grande frango de Nuno, e construiu a jogada do 3º, apontado por Cardozo) e 10 na Liga Europa. Como se pode ver pelos números, Jorge Jesus não passa sem ele, apesar de nem sempre o utilizar como titular (em vários destes jogos foi suplente utilizado).


Devo confessar que não acolhi com grande simpatia a contratação de Ruben Amorim na época passada. Do que via dele no Belenenses, parecia-me um bom jogador, mas nunca com qualidade suficiente para ser titular num clube como o Benfica, que luta por outros objectivos. No entanto, e apesar da época com Quique no comando não ter sido minimamente boa, o Ruben foi dos poucos que destoou da mediania, com um rendimento sempre constante. Acho até que nunca o vi jogar mal desde que está na Luz. Faz uns jogos melhores, outros piores, mas ainda não o vi verdadeiramente a fazer um mau jogo. E penso que esse é o maior elogio que se pode fazer a qualquer jogador. Como Mourinho disse uma vez de Paulo Ferreira, "certamente que nunca será o melhor em campo em jogo nenhum, mas também nunca será o pior". Não chego a tanto, porque há vários jogos em que Ruben Amorim joga o suficiente para ser considerado o melhor em campo (como, de resto, até já aconteceu esta época), mas realmente creio que ele nunca será o pior em campo, porque nunca joga mal. É um jogador muito eficiente e eficaz, cumpre com tudo o que lhe é pedido por qualquer treinador - em boa medida, é o sonho de qualquer treinador. E um jogador assim é sempre muito útil para qualquer equipa, sem sombra de dúvidas. Além do extra que é poder cumprir várias posições e sempre sem que se verifiquem quebras no seu rendimento. Os números falam bem da sua regularidade. É uma pena não ir ao Mundial, o que se deve única e exclusivamente à aversão de Carlos Queiroz a convocar jogadores do Benfica. Mas que merecia, pelas 2 épocas de muito bom nível que está a realizar no Benfica, disso não haja dúvidas.

Qual a opinião dos leitores?

4 comentários:

biohazard disse...

Quando me perguntam quem foi o melhor jogador do Benfica de Quique Flores, a resposta é invariavelmente a mesma, Rúben Amorim.

Um jogador técnica e tacticamente evoluído, raçudo, que para mim é a característica que mais aprecio, e com cartão de sócio.

SAUDAÇÕES BENFIQUISTAS

Mantorras disse...

Concordo com a análise ao adepto, sócio e jogador do nosso clube. Mas eu sempre aplaudi esta contratação, pois já admirava o seu futebol no Belenenses e ser Português para mim também é importante.
Um dos factos que contribuem para o sucesso deste Benfica também é ter um jogador que não pertence aos titulares indiscutíveis, da qualidade de Ruben Amorim. Sempre que entra do banco dá tudo, e quando entra a titular arrisca-se a ser o melhor jogador em campo, tal a sua qualidade e tal a qualidade da engrenagem da nossa equipa gerida por Jorge Jesus.
Além disso é um jogador com mística, que aprecio e muito.

Saudações Benfiquistas!

Vermelhusco disse...

Nao e o jogador mais dotado do nosso plantel nem aquele que atrai mais simpatias dos adeptos mas e um dos que mais aprecio.

Formado pelas camadas jovens do Benfica, benfiquista de gema e que sente o peso da camisola, tem uma grande entrega sempre que joga e como facilmente despercebido e um jogador com potencial para ficar no Benfica muitos e bons anos.

Para mim e dos jogadores que com mais um ou dois anos de casa merece a bracadeira de capitao.

Manuel Oliveira disse...

Grande jogador, concordo! Gosto dele por tudo, por ser técnica e tacticamente evoluído (a forma como furou pela defesa do Sporting deixou-me deliciado!), por ser alegre e por ser benfiquista. O nosso 12º jogador.
Abraço.